Aracaju (SE), 21 de maio de 2022
POR: TCU
Fonte: TCU
Em: 17/12/2021 às 00h00
Pub.: 20 de dezembro de 2021

TCU adverte que o FGTS deve investir em habitação como regra


Auditoria relatada pelo ministro Benjamin Zymler verificou que são admitidas exceções aos programas habitacionais. O FGTS pode investir em saneamento e infraestrutura urbana.


Resumo

  • O TCU realizou, sob a relatoria do ministro Benjamin Zymler, auditoria nos investimentos Caixa na Carteira Administrada do FGTS.
  • As aplicações da Carteira Administrada devem necessariamente contemplar, em sentido estrito, projetos habitacionais.
  • “No entanto, são admitidas aplicações do FGTS em saneamento básico e infraestrutura urbana em caráter complementar”, explicou o ministro-relator do TCU.
  • Investimentos em entidades hospitalares filantrópicas e instituições dedicadas a pessoas com deficiência também são válidos até o fim de 2022.

O Tribunal de Contas da União (TCU) realizou, sob a relatoria do ministro Benjamin Zymler, auditoria envolvendo os investimentos realizados pela Caixa Econômica Federal no âmbito da Carteira Administrada do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).


A Corte de Contas decidiu, na sessão de 15/12, dar ciência ao Conselho Curador do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (CC/FGTS) de que as aplicações da Carteira Administrada do FGTS devem necessariamente contemplar, em sentido estrito, projetos habitacionais.


“No entanto, são admitidas aplicações em saneamento básico e infraestrutura urbana apenas em caráter complementar aos respectivos programas habitacionais. É o que determina a Lei 8.036/1990 (art. 9º, §§ 2º, 3º e 4°)”, explicou o ministro-relator do TCU Benjamin Zymler.


Há outra exceção aos programas habitacionais. Estão permitidas operações de crédito em favor de entidades hospitalares filantrópicas e instituições dedicadas a pessoas com deficiência, sem fins lucrativos, que participem de forma complementar do Sistema Único de Saúde (SUS). Essa ressalva só é válida até 31 de dezembro de 2022 (art. 9º - C).


“Como medida de prudência e austeridade com o patrimônio dos trabalhadores, cada projeto financiado com recursos da Carteira Administrada deve prever, per se, em sua concepção, rentabilidade suficiente à cobertura de todos os custos incorridos pelo Fundo e à formação de reserva técnica para atendimento de gastos eventuais não previstos”, observou Zymler.


Além disso, a rentabilidade do projeto financiado deve ser demonstrada por estudos adequados de viabilidade econômico-financeira. O risco de crédito deve ser atribuído ao agente operador dos recursos da Carteira Administrada do FGTS.


Nesse processo atuou o procurador Júlio Marcelo de Oliveira, do Ministério Público junto ao TCU.


A unidade técnica do Tribunal responsável pela instrução do feito foi a Secretaria de Controle Externo do Sistema Financeiro Nacional (SecexFinanças). O relator é o ministro Benjamin Zymler.


Serviço
Leia a íntegra da decisão:
Acórdão 3.150/2021 – Plenário
Processo: TC 016.592/2017-4
Sessão: 15/12/2021

Matérias em destaque

Click Sergipe - O mundo num só Click

Apresentação