Aracaju (SE), 07 de julho de 2022
POR: José Lima Santana
Fonte: José Lima Santana
Em: 03/04/2022 às 15h18
Pub.: 04 de abril de 2022

Fuzilaria :: Por José Lima Santana


José Lima Santana (Foto: Arquivo Pessoal)

José Lima Santana (Foto: Arquivo Pessoal)

José Lima Santana*


Naquele chão, nada era maior do que a miséria e a valentia do sertanejo. Tempos duros, difíceis, assombrando os mofinos, que se contavam nos dedos de uma mão. Estes eram poucos, que bem teriam feito ao bom nome do sertão se tivessem morrido de caganeira, ainda no berço. No todo, porém, os sertanejos se mostravam destemidos, tanto para o enfrentamento das intempéries do clima azedado desde os princípios dos tempos, quanto para a luta a ferro e sangue, se preciso fosse. E, muitas vezes, era preciso. Terra de homens embrutecidos pelas agruras da própria vida, pela falta de educação escolar. Escola? E tinha? No sertão do começo da República? “Tinha não, amigo velho”. Para não faltar com a verdade, no Xique-Xique de Riba uma mocinha dava aulas de ABC e bê-a-bá. Coisinha curta, só para não dizer que todo mundo era iletrado, ignorante. Poucos aprendiam alguma coisa. Um soletramento sofrível, um assinar o nome em garranchos, uma conta de somar no lápis, que mais fácil era fazer de cabeça.


As forças volantes espalhavam-se por todo o sertão, para dar cabo do rei do cangaço e de seus príncipes. Famigerados para uns, festejados por outros. O cabo Josino Pai D’Égua teve dois irmãos trucidados pelos cangaceiros, no Alto do Morro do Virgílio. Tiroteio que durou mais de seis horas, começando no início da tarde e alongando-se até a boca da noite. Os dois eram da força volante do tenente Isaías. Morreram quatro soldados e dois cangaceiros. A vantagem estava quase sempre do lado dos celerados. Josino Pai D’Égua jurou vingança. Não haveria de descansar enquanto não metesse uma bala, ou muitas, no quengo do capitão de bosta. “Capitão... Oxente! Quem deu tal patente ao cangaceiro, que se intitulava o “Rei do Cangaço”? Capitão... Capitão, que nada! Era um bandoleiro, que matava, roubava, estuprava. O cabo Josino ainda o teria em sua mira. Veria o seu olho cego explodir com o impacto de uma bala de fuzil. Os miolos lambuzando a paisagem. 


Noca de Pedro Melo das Aroeiras engraçou-se, na feira do Morro das Faceiras, por um tipo que entrara na vila com um bando de cangaceiros, chefiado por Caninana, um dos lugares-tenentes do tal capitão. Na venda de Domitila de Zé Ceguinho, ele passou o olho nela e ela passou o olho nele. Fogo e pólvora misturados. Dali mesmo, ela arribou com ele, para desgosto da família. O zun-zun-zun foi tanto que as irmãs de Noca nunca mais pisaram os pés na vila. Vergonha da patifaria que a desmiolada da irmã acabara de fazer. Misturar-se com a laia do cangaço. Era uma desfeita para qualquer família de bem. Uma moça entregue à sem-vergonhice com aquele tipo de gente. Para quê? Para manchar a honra da família. Família pobre, mas direita. E, mais dia, menos dia, acabar morta por uma força volante, a carcaça exposta aos bicos dos urubus.


Geraldinho de Pedro Melo, irmão de Noca, danou-se para a capital, em busca de encontrar-se com um primo, tenente da Força Pública. Queria assentar praça. Entrar para uma força volante, a fim de dar cabo de alguns cangaceiros e, talvez, da própria irmã, que desgraçou a família, deixando a mãe areada do juízo e o pai ainda mais carrancudo. A irmã desmiolada estava nas garras sujas dos bandoleiros. Estava mal falada, botando na lama o nome da família. Grande era o sofrimento da mãe. O pai, Pedro Melo, não. Arrenegou a filha. Para ele, morta ela estava. Geraldinho teve sorte. Não só topou com o parente oficial, como este lhe deu guarida e ele assentou praça, sim, na Polícia. Mandou recado para o pai. Estava na força volante do sargento Belizário, onde servia o cabo Josino Pai D’Égua. Cada volante tinha um espaço no território sertanejo para esquadrinhar em busca dos cangaceiros, que trafegavam de um para outro Estado num piscar de olho. Tinham lá eles uma vasta rede de informantes, os coiteiros, que lhes davam, além de informações sobre a movimentação das tropas, víveres, armas e munição, tudo comprado com o dinheiro que os cangaceiros extorquiam por onde passavam. Apesar dos malfeitos da bandidagem, havia quem os apoiavam, quem os consideravam heróis, talvez porque havia sobre os bandoleiros a aura de que lutavam contra o sistema. E o sistema naqueles sertões largados era, deveras, cruel. Fazendeiros, políticos, militares, e até padres, espoliavam o povo sem proteção e sem vintém. 


Tarde de sexta-feira, véspera da feira semanal do Timbó Açu. Notícia correu e chegou ao sargento Belizário que o bando do tal capitão estaria de chegada. Eram favas contadas. O sargento arregimentou outros cabras e engrossou suas fileiras. Eram mais de trinta homens bem armados e dispostos. Josino Pai D’Égua batia os dentes, de ansiedade, como um caititu. Vingaria os dois irmãos caídos. A notícia dava conta de que os cangaceiros viriam da Mata do Osório, pelo caminho de João Lourenço, passando pelo riacho do Meio. Na curva para chegar à solta de Robertão, achava-se um bom lugar para tocaia. A volante tomou posições. Era manhãzinha quando um atropelo de cavalos em bom galope foi ouvido. Seriam eles, os cangaceiros. E eram mesmo.


Tocaia bem-feita. Fuzilaria das seiscentas. Gritos. Xingamentos. O cabo Josino deu conta de três cangaceiros, mas não do tal capitão. Sentiu-se vingado, em parte. Quanto a Geraldinho, foi ferido por um tiro na perna. Sangria braba. Arrastou-se no meio do mato, buscando valimento. Azar. Topou com um cangaceiro de punhal na mão direita, pronto para sangrá-lo. Geraldinho viu a cara feia da morte. Quando o celerado ia atingi-lo, outro cangaceiro atirou nele pelas costas. Não era um cangaceiro. Era Noca, a irmã. “Salvei a sua vida, mano. Diga ao pai e à mãe que essa, agora, é a minha vida. Adeus”. Embrenhou-se no mato, rastejando como cobra. Geraldinho viu a irmã sumir de suas vistas e de sua vida. Quis gritar, chorar. Gritar, atrairia outros cangaceiros. Chorar não era papel para um homem, não ali no sertão. Porém, toda a sua macheza não foi suficiente para reter duas lágrimas nos olhos. Duas gotas de orvalho, retidas na amplidão daquele espaço sangrento. A irmã salvou-lhe a vida.


Era março. Quaresma. Dali saindo, Geraldinho iria dobrar os joelhos na igreja do padre Amarante. Agradecer a Deus pela vida poupada e orar pela irmã cangaceira.


*Padre, advogado, professor da UFS, membro da ASL, da ASLJ, da ASE, da ADL e do IHGSE.

Matérias em destaque

Click Sergipe - O mundo num só Click

Apresentação