Aracaju (SE), 19 de setembro de 2021
POR: José Lima Santana
Fonte: José Lima Santana
Em: 22/05/2021 às 09h38
Pub.: 24 de maio de 2021

Mocinha e as partes fracas de Ciço Picadinho :: Por José Lima Santana


José Lima Santana (Foto: Arquivo Pessoal)

José Lima Santana (Foto: Arquivo Pessoal)

José Lima Santana*


Pegou em cheio. Foi quase mortal. A pancada fez Ciço Picadinho ser jogado ao chão, contorcendo-se de dor, sufocado, querendo falar sem poder. Bufou. Lágrimas saltaram de seus olhos com a ligeireza do espanto. Suas partes fracas pareciam esmigalhadas. Continuaria a ser homem ou sua macheza iria parar no beleléu? Dor lancinante. Haveria remédio para o seu caso? Da farmácia de “seu” João Paes? De uma garrafada de Davi da Malhada dos Coqueiros? A dor era insuportável. Não conseguiu contê-la. Urrou. Ninguém para acudi-lo. Ali, somente ele e Mocinha. O que se passava com ela? Ciço nada fizera para tamanha revolta. Ela quase o matou. Se a pancada tivesse atingido a cabeça, teria sido fatal. 


A relação dele com Mocinha, de uns tempos para cá, não andava bem. No começo, tudo foram flores. Desde o dia em que decidiu tê-la como sua, ele se desvelou por ela. Deram-se bem, como se tivessem sido feitos um para o outro, ou seja, ela para ele. Podia-se mesmo dizer que fora “amor à primeira vista”, tão logo ele a conheceu, debaixo da mangueira rosa do quintal de “seu” Américo Mendonça, no povoado Xique-Xique. Ciço bateu o olho em Mocinha e derreteu-se todo. Não se sabia dizer se ela também bateu o olho nele, naquele momento, uma manhã de sol brando no fim da primavera. A mangueira estava florida e uns brotos de manguinhas já se deixavam ver. Ah, dona Rosita fazia-se nos cobres, vendendo as deliciosas mangas! Era a segunda esposa de “seu” Américo. A primeira morreu de parto, no terceiro filho. A culpa teria sido de um chá de espirradeira, que, algumas parteiras menos tarimbadas o ministravam para ajudar no momento do parto. Porém, o chá servia também como abortivo. Daí algumas mulheres acabavam perdendo a vida. Dona Rosita era prima da mãe de Ciço. Deu-lhe um prestimoso adjutório na conquista de Mocinha.


Ciço tinha vinte e poucos anos. Antes de Mocinha, já tivera outras duas. Passageiras. Mas aquela seria definitiva. Ele assim pensava. Não mediu esforços para tê-la. Ah, despertaria o desejo e a inveja de muitos!


Naquela tarde, ali estava Ciço Picadinho contorcendo-se de dor. Um sujeito de sangue no olho seria capaz de dar fim a Mocinha. Mas, não Ciço. Ele era arriado por ela. E apesar da inesperada pancada que recebera, ele ainda seria capaz de continuar com ela. Quantos marmanjos desejavam Mocinha! Então, como ele poderia deixa-la à mercê de aproveitadores que a queriam com um simples estalar de dedos? 


Ciço tentou levantar-se. A dor nas partes baixas parecia ganhar o corpo todo. Estava definitivamente moído. O pensamento fervilhou. “Por que, Mocinha? Por que?”. Depois do golpe, ela se afastou como se não tivesse feito nada. Não parecia ouvir os urros de dor daquele que torrou os cabelos da cabeça para tê-la. Porém, ela não estava nem aí. Na verdade, era fria. Não demonstrou sentimentos. Nem poderia. Rústicos instintos. 


A convivência harmoniosa entre Ciço e Mocinha começou a mudar um ano depois da união entre eles. De início, até que a situação foi satisfatória. De tudo, é verdade, ele fez para agradá-la. Gostava de vê-la bem asseada, bem arrumada, para chamar a atenção dos outros. E Mocinha fazia uma bela figura. Era, sim, uma bela figura. Boa altura, pernas bem feitas, corpo de não encontrar rival da Ribanceira de Zuza ao Brejo das Cobras, do Matão do Alto à Serra dos Papagaios. Não faltavam marmanjos se roendo de desejos por ela. Porém, Mocinha era de Ciço. Só dele. Que ninguém se atrevesse a meter-se entre eles. 


Traição. Foi o que ocorreu naquela tarde. Mocinha traiu a confiança que Ciço lhe depositava. Ainda no chão, arrastando-se no gramado, tentando alcançar a calçada de cimento da casa, ele quis se dar conta, como se fosse uma espécie de fuga, de que ela nunca merecera a sua confiança. De uns tempos para cá, ela foi se mostrando arisca, dando uns sinais de que alguma coisa não andava bem. Nem sempre ela o ouvia, nem sempre queria lhe atender. Ficava de venetas. 


Enfim, Ciço Picadinho alcançou a calçada. A dor ainda era muito forte. A pancada desferida por Mocinha tinha sido pior do que um golpe cruzado no queixo ou no fígado, desferido por um boxeador peso-pesado no seu oponente de guarda aberta. Ciço conseguiu, a duras penas, sentar-se. Segurou as partes baixas com as duas mãos, como se quisesse aliviar a dor. Não aliviava. Encostou-se num banco de madeira. Mocinha tinha sumido de sua vista. 


A vida tinha surpresas nem sempre agradáveis. Porém, aquela estava fora de cogitação. Mesmo sentindo mudanças no comportamento de Mocinha, ele jamais esperou aquela terrível reação. “Mocinha! Mocinha”!


Se sua mãe, dona Margarida, estivesse ali, por certo faria a fervura de folhas de malva branca, um santo remédio para inchaços e inflamações. Melhor que remédio de farmácia ou garrafadas de pai-de-santo. Todavia, a mãe estava na cidade, acudindo a filha mais nova, em dias de ganhar neném. 


Ciço sentiu uma tontura. A vista ficou anuviada. Pendeu a cabeça. Sentiu que poderia desmaiar, o que não seria bom. Sozinho, naquele estado, poderia até morrer. E Mocinha ficaria aí, fanfando. Outro acabaria lhe passando a perna, escovando o seu pelo, aparando a sua crina. Mocinha era a burra castanha de Ciço Picadinho, comprada por seis contos de réis. Um dinheirão. O coice que ela lhe desferiu atingiu em cheio os seus documentos de macho. Ciço gostava de uma burra aprumada. As duas anteriores foram muito boas, mas Mocinha desarredava. Não tinha igual.


Chocalhos de vacas tilintaram por perto. Um cachorro latiu. Severino, irmão de Ciço, foi-se chegando, para prender os bezerros das vacas leiteiras. Acudiu o irmão.


*Padre, advogado, professor da UFS, Membro da ASL, da ASLJ, da ASE, da ADL e do IHGSE

Matérias em destaque

Click Sergipe - O mundo num só Click

Apresentação