Aracaju (SE), 18 de junho de 2021
POR: José Lima Santana
Fonte: José Lima Santana
Em: 16/01/2021 às 00h10
Pub.: 18 de janeiro de 2021

A posse e a morte :: Por José Lima Santana


José Lima Santana (Foto: Arquivo Pessoal)

José Lima Santana (Foto: Arquivo Pessoal)

José Lima Santana*


A cidade amanheceu em rebuliço. Primeiro dia do ano. Não, o rebuliço não era o rescaldo pelos festejos da virada do ano, que, aliás, não ocorreram em face da pandemia. Era o dia da posse do novo prefeito, ou melhor, prefeita, do vice-prefeito e dos vereadores. Depois de trinta e dois anos no poder, o grupo de Aristides Fonseca Matos da Colina dos Afonsos tombou diante de uma menina, a Dra. Mônica Lima de Tonho de Malaquias. Jovem, bem apessoada, formada em medicina, começando a vida com sucesso profissional. Filha do lugar, escolheu a sua cidade como local preferencial para o exercício da profissão. 


Por trinta e dois anos, todos os candidatos que disputaram o comando da Prefeitura contra Aristides ou os seus candidatos, foram derrotados. Aristides conseguiu estruturar um poderio jamais visto na cidade. Ele, apaniguados seus ou parentes foram se revezando à frente dos destinos do município. Mesmo com a redemocratização de 1988, mesmo com uma nova Constituição, e, portanto, com ares novos soprando sobre o país, ainda permaneciam certos grotões em que velhos coronéis davam as cartas, ou populistas de primeira, de segunda e até de terceira categoria foram assumindo posições municipais e estaduais. Federais? Também. A vida política arrastava-se, como no passado, em vários dos mais de cinco mil municípios brasileiros. Os novos ventos não sopravam em todos os lugares, nem em todas as cabeças. Em cabeças ocas, ventos nenhuns ou velhos ventos.


Mônica Lima, aos vinte e oito anos, aceitou a candidatura a prefeita. Mobilizou a juventude, saiu às ruas e povoados, bateu pernas de casa em casa, ouviu o povo, não fez promessas, mas falou com firmeza, adquirindo a confiança dos eleitores. Aristides, do alto dos seus oitenta anos, ele mesmo o candidato à reeleição, esperneou, gastou uma dinheirama na penumbra, comprando votos. Muita gente pegou o dinheiro do prefeito e votou em Mônica. Resultado: 2.247 votos de frente, a maior diferença registrada numa eleição para prefeito em Chapadão do Gentio. De onze vereadores, o lado da prefeita eleita conseguiu fazer nove. Uma vitória e tanto!


A pandemia impediu que a posse fosse festiva, como a ocasião merecia. Apenas os eleitos e uns poucos familiares compareceram à Câmara Municipal, na Rua de Cima. Na missa, às dez horas, o mesmo efetivo. A prefeita eleita fez circular dois carros de som, conclamando o povo a não comparecer às solenidades. O povo obedeceu. Afinal, no município já se contavam vinte e cinco mortes pela Covid-19, um número alto para o lugar. A Prefeitura Municipal pouco ou nada fez para combater a propagação do vírus. O negacionismo tomara conta da administração anterior. “Só morre quem tem que morrer”, dizia o ex-prefeito. Afinal, para ele, tratava-se apenas de uma gripezinha. Na campanha eleitoral, Aristides apelidou a jovem médica de “Curandeira”. Até um jingle sem-vergonha foi produzido, cujo refrão dizia assim: “Se você estiver de caganeira / Chame a curandeira / Chame a curandeira”. Como não falava no nome da candidata oposicionista, a Justiça Eleitoral nada pôde fazer, embora devidamente acionada. 


A nova prefeita convidou uma jovem médica, sua colega de turma, para secretariar a Saúde municipal. Infectologista, ciosa das necessidades da população, já traçara, antes da posse, estratégias para impedir o aumento da propagação do vírus, através de medidas educativas em massa, dos aparatos necessários para dotar a Clínica de Saúde local, que a deixaria em boas condições para atendimentos iniciais, e do acompanhamento da população, realizado de casa a casa, inclusive com a aplicação de testes. 


As esperanças do povo eram cada vez maiores na prefeita eleita, embora deu trabalho para Aristides largar o osso. O velho político chegou a alegar fraude na eleição. As urnas eletrônicas passaram a não ser da sua confiança. Alardeou que seria preciso imprimir uma comprovação dos votos. Tomara um banho de votos e falava em fraudes, como se ainda vivesse no tempo em que ele e tantos outros fraudaram eleições, trocando “chapas”, alterando mapas de apuração, contando votos em branco como válidos etc. Na noite do dia 27 de dezembro, uma equipe de destruição foi detida quando estava prestes a incinerar uma pilha de documentos, nos fundos da Prefeitura. A polícia foi acionada. Inquérito instaurado. Quinze pessoas ouvidas. Tudo levava ao ex-prefeito, o mandante. Dali até a posse, o rebuliço esteve por toda a cidade. Aristides seria indiciado. 


As preocupações maiores da nova prefeita estavam, deveras, na saúde. Além do bate-boca infeliz entre os defensores das medidas científicas para impedir a propagação do novo corona-vírus e os defensores do negacionismo, estes formando um bando de tolos que contavam até com o respaldo insensato de alguns profissionais da saúde, havia, ainda, o péssimo exemplo de certas autoridades, desde as mais altas, que, de maneira estúpida, através de suas posturas não convencionais para a situação vivenciada, desdenhavam das quase duas centenas de mortes causadas pelo vírus devastador, espalhadas pelo país até o fim do ano. 


A partir do dia 2, a secretária da Saúde começou o planejado trabalho de conscientização da população, para a tomada de medidas preventivas. Tão logo pudesse fazer compras dentro dos processos legais, distribuiria álcool em gel e máscaras de casa em casa, junto à população mais carente, a depender dos levantamentos que já estavam sendo feitos pelos agentes municipais de saúde. Os dois vereadores da oposição, embora a Câmara Municipal estivesse em recesso parlamentar, berravam em bares e bodegas que a nova prefeita estava criando moda, fazendo besteira. Uns idiotas. 


Na manhã do dia 5 de janeiro, eis que a Clínica de Saúde recebeu um paciente em estado mais ou menos grave. Naquele instante, ali se encontrava a prefeita, que, imediatamente, o socorrera, dando-lhe, de forma precisa, os primeiros atendimentos. O paciente foi encaminhado à capital, para o devido tratamento. Covid-19. Mais um caso, dentre tantos que já tinham levado à morte vinte e cinco munícipes. Aquele paciente seria, seis dias depois, a vigésima sexta vítima local. Era Aristides, o ex-prefeito, o que tanto desdenhara da doença, chamando-a de uma gripezinha. Lamentável. Qualquer morte é para se lamentar. Como bem disse o poeta inglês John Donne (1572-1631), em Meditações VII: “Nenhum homem é uma ilha, isolado em si mesmo; todos são parte do continente, uma parte de um todo. Se um torrão de terra for levado pelas águas até o mar, a Europa ficará diminuída, como se fosse um promontório, como se fosse o solar de teus amigos ou o teu próprio; a morte de qualquer homem me diminui, porque sou parte do gênero humano. E por isso não perguntes por quem os sinos dobram; eles dobram por ti”.


*Padre, advogado, professor da UFS, Membro da ASL, da ASLJ, da ASE, da ADL e do IHGSE

Matérias em destaque

Click Sergipe - O mundo num só Click

Apresentação