Aracaju (SE), 18 de junho de 2021
POR: José Lima Santana
Fonte: José Lima Santana
Em: 09/01/2021 às 15h38
Pub.: 11 de janeiro de 2021

O lobisomem manco :: Por José Lima Santana


José Lima Santana (Foto de arquivo: Click Sergipe)

José Lima Santana (Foto de arquivo: Click Sergipe)

José Lima Santana*


O tempo certo, eu não sei. Foi por volta de 1958, 1959... Porém, o lugar era uma cidadezinha onde a iluminação pública, advinda de uma termoelétrica da década de 1920, era apagada às 23 horas, para a Prefeitura conter os gastos. Escuridão até o romper da aurora. O padre Malaquias, passando dos setenta, não tinha sossego com as beatas em busca de água benta, para aspergir as casas, a fim de afastar o lobisomem. Uma dúzia de pessoas já o tinha encontrado. A fera soltava-se a cada quaresma. Corria trechos, batia sete Freguesias, assombrando homens e mulheres, matando bichos para beber o sangue. Tonho de Alípio de Sá Francisquinha quase deu cabo do bicho. Travou luta corporal. Teve duas costelas quebradas, mas deu de cabo de rebenque na cabeça do excomungado. As conversas rolavam soltas. Cada um tinha o que dizer. E inventar. 


Andar pelas ruas e becos ficou perigoso depois que as luzes se apagavam. O lobisomem tornou-se atrevido por demais. Corria e uivava pelas ruas mais afastadas, pelos becos de Zozimina, de Antero e de Robertina. Galinhas espantadas, roupas rasgadas nos varais, cães uivando de forma medonha, saindo em desabaladas carreiras, eram os sinais incontestes de que o seboso andejava em maldita penitência.


As pessoas de juízo recolhiam-se cedo. Quem não atinava para o perigo, podia sofrer graves reveses. Numa casa de farinha, no subúrbio do Mané Patacão, umas farinheiras largaram a prensa e o forno e debandaram com o tinhoso atrás delas, pega, mas não pega. Foram socorridas por Zeca de Maninho, soldado do destacamento policial local, que ainda atirou a esmo, sem fazer pontaria, pois o lobisomem era mais veloz do que o carro de praça de Marcolino. Corria a mais de 80 por hora. Era esse o cálculo que fazia Zeferino de Zé Biguá. Este pescador, escondido numa moita, o viu passar lá pras beiras do açude. Parecia um raio, riscando e sumindo no céu, ele disse. 


Começaram as suspeitas sobre quem seria o lobisomem, quem teria a sina pavorosa do encantamento. Homem e lobo. Uma besta-fera, um monstro a carregar nas costas a maldição antiga, vinda das Europas no tempo da colonização. A maldição passava de geração em geração. Diziam pessoas mais velhas que na Serra da Queda d’Água, nos sertões da Caatinga Cinzenta, uns vaqueiros deram cabo de um desses bichos. Mataram-no com uma bala de prata que um deles carregava na algibeira, pois o seu pai tinha sido morto por um lobisomem, nas Alagoas. O moço prometeu ao pai agonizante que, um dia, vingaria a sua morte, fosse com qual lobisomem fosse. Promessa cumprida. Abatido o lobisomem, ao raiar do dia o encantamento se desfez. Era o filho do fazendeiro, patrão daqueles vaqueiros. O rapaz tinha herdado a sina do avô. O fazendeiro, que fugira de Pernambuco, procurando afastar-se da maldição que pesava sobre a família desde os tempos dos holandeses, morreu de desgosto diante da morte do filho único. Era o que diziam. E era no que se acreditava. 


Alguns homens, liderados por Ezequias do finado Vavá do Brejão de Cima, marchante destemido, bom de briga e de fazer zoada, tomaram a empreitada de emparedar o lobisomem. Custasse o que custasse, eles acabariam com o malvado. Era o trato a ser cumprido. O tenente Valdomiro Olho de Sola conseguiu com o prefeito uma recompensa em dinheiro vivo, pois a palavra do alcaide não era suficiente, posto que, ladino, não era macho suficiente para a cumprir, recompensa a ser dividida entre os tais sujeitos, se fossem eles os abatedores do bicho. O próprio tenente, o sargento Belisário, que, jovem soldado, esteve na Volante do tenente Firmino Carniceiro, e o soldado Zeca de Maninho formariam outro grupo para dar caça ao lobisomem.


Quarta-feira à noite. Os dois grupos de caçadores eventuais de lobisomem puseram-se em ação. O tenente e os demais militares tomaram o rumo do beco do açude, onde o bicho fora visto duas ou três vezes. E o grupo do marchante Ezequias rumou para a estrada da Fazendinha, da qual o lobisomem era vezeiro frequentador, correndo trecho e cometendo diabruras. Era noite de lua cheia. Noite propícia para lobisonagens. Noite de pios assustadores de corujas rasga-mortalha, de silvos de cobras vadias, de cães em completo desvario. Dizia-se até ser noite de almas penadas vagando em lamuriosas penitências e negras assombrações. 


A lua cresceu no céu. Subiu o máximo que pôde. Derramou um bordado de prata sobre o mundo. As horas da noite deixaram-se vencer pela meia-noite e esta pelas horas da madrugada. Nas duas sentinelas, a do tenente e a do marchante, nada aconteceu. O lobisomem parecia estar de folga ou traquinando noutras paragens. Àquela altura, o grupo de Ezequias já tinha dado cabo de seis garrafas de cachaça. Estavam todos truviluscos. 


De chofre, um rebuliço na margem da estrada, na matinha de Geraldinho de Tuca do Baixó. Espingardas, facões e porretes de prontidão, Ezequias e seus companheiros avançaram para a borda da matinha, menos Zito de Maria Gorda, que, tremendo como vara verde, molhou-se todo e ficou petrificado na estrada, espingarda emperrada nas mãos. Cabra frouxo da gota! 


Eis ali o virador de lobisomem. Roupa esfarrapada, sujo de sangue, um tatu pendurado pelo rabo. Os lobisomens bebiam sangue de animais. Ali estava a prova de que Antônio Amarelo, como muita gente suspeitava, era o lobisomem. Agarraram o sujeito e o levaram, em algazarra, ao quartel da polícia. Alguém foi chamar o tenente. “Pegamos o labisome, tenente”. Passava das três da madrugada.


No quartel, o tenente deu conta de Antônio Amarelo, mais sem sangue do que nunca, uma perna mais curta do que a outra. A camisa rota, manchada de sangue. O tatu, no chão, morto, botando sangue pela boca. O grupo de Ezequias em alvoroço. O labisone, enfim, estava descoberto. O povo tinha razão em suspeitar do Amarelo, sujeitinho esquisito, cortador de caminho, que vivia no esconde-esconde e coisa e tal. 


O tenente balançou a cabeça. Esboçou um sorriso de zombaria. E disse: “Ô bando de incompetentes, onde já se viu um lobisomem manco? Lobisomem corre trecho, mais rápido do que cavalo desembestado. Este amarelo é manco. Nem anda direito, quanto mais correr como a peste. Vocês beberam além da conta”. 


Um lobisomem manco? Era mesmo para rir. Naquela mesma madrugada, uivos medonhos foram ouvidos para as bandas do açude, onde o tenente e seus companheiros estiveram de tocaia. Por ali, cinco galinhas do quintal de Zefinha Cabeça de Balaio amanheceram mortas, destroçadas. Outro era o lobisomem, e não o pobre manco Antônio Amarelo, caçador de tatus.


*Padre, advogado, professor da UFS, Membro da ASL, da ASLJ, da ASE, da ADL e do IHGSE

Matérias em destaque

Click Sergipe - O mundo num só Click

Apresentação