28 de janeiro de 2019
POR: José Lima Santana
Fonte: José Lima Santana
Em: 26/01/2019 às 13h19

NÃO ERA PARA SER ASSIM, MAS FOI :: Por José Lima Santana


José Lima Santana* - jlsantana@bol.com.br


José Lima Santana (Foto: Arquivo pessoal)

José Lima Santana (Foto: Arquivo pessoal)

Depois de Mariana, não era para ser assim, mas foi. Agora, infelizmente, foi a vez de Brumadinho. Uma tragédia humana. O que se espera, lamentavelmente, é a morte de dezenas de pessoas, posto que são mais de 140 desaparecidos, além de algumas mortes já confirmadas, no início da madrugada deste sábado, 26 de janeiro. Essas barragens são fiscalizadas de forma adequada? As explicações de órgãos ou entidades fiscalizadoras já estão sendo dadas, neste momento, em que vejo um noticiário televisivo (01:34 hs, no horário de Brasília, horário de verão). A empresa proprietária da barragem rompida é a VALE, que vale mais 10% do volume de negócios da BOVESPA, a Bolsa de Valores de São Paulo, e cujo capital tem uma participação muito grande de estrangeiros. 


A tragédia é impressionante. Mais uma vez, além da tragédia humana, muito maior do que a resultante de Mariana, as perdas ambientais serão gravíssimas, bem como a perda de bens das pessoas. 


Os governos não aprenderam. As autoridades não aprenderam. As mineradoras jamais aprenderão, pois não são cobradas devidamente como deveriam ser. A mediocridade dos órgãos e entidades que regulam, controlam e fiscalizam, ou, melhor, que deveriam fazer tudo isso em nome da decência, da ética, das leis, do respeito ao povo, haverá de continuar? 


Um país em que tragédias com causas idênticas se repetem, não é mesmo um país sério. É uma pena que este é o nosso país. Não é sério, porque quem deveria dar exemplo não o faz. E o povo acaba pagando o "pato".


Aproveito o que disse uma amiga: "Se não fiscalizarem, outras catástrofes ocorrerão e os responsáveis continuarão impunes, prontos para o aumento do CAPITAL". 


A ganância é desmedida. A falta de ética é incomensurável. Veremos quantos corpos serão resgatados. E quantas sepulturas mais serão abertas. "Ventres de mães rasgados no seio da terra”. Mundo perverso de homens insensatos. 


A lama densa de rejeitos parecia cobrir Minas Gerais. Minas auríferas. Minas diamantíferas. Minas férrea. Minas sujeita a catástrofes. Minas Gerais entregue ao descaso. O caos sobre Minas. Posso estar usando força de expressão. Posso fazer uso de clichês, mas não dá mais para suportar tantos crimes ambientais. Quem pagará pelas vidas ceifadas? Quem...? Os governos? Os empresários? Ora, essa! Ninguém... Vidas não têm preço. O mundo há de nos condenar, mas nós mesmo deveremos nos condenar, condenando aqueles que fazem chorar centenas de famílias.


*PADRE. ADVOGADO. PROFESSOR DA UFS. MEMBRO DA ASL DA ASLJ E DO IHGSE


Confira AQUI mais artigos do José Lima Santana
Confira AQUI mais artigos da autoria de José Lima Santana publicados no ClicSergipe antigo

Matérias em destaque

Click Sergipe - O mundo num só Click

Apresentação