19 de fevereiro de 2018
POR: José Lima Santana
Fonte: José Lima Santana
Em: 16/02/2018 às 20h40

PEDRO MEIA GARRAFA :: Por José Lima Santana


José Lima Santana* - jlsantana@bol.com.br


José Lima Santana (Foto: Click Sergipe)

José Lima Santana (Foto: Click Sergipe)

Ai, ai, ai, ai, ai, ai, ai. Ao todo, foram sete ais. Era assim que Pedro de Fernandinho de Zuliva Parteira dos Cafundós do Negro Janjão, território sem lei nos tempos do carrancismo, reagia a algo que lhe desgostava. E naquela manhã de fevereiro, na quarta-feira de cinzas, só um bocadinho depois do carnaval, Pedro de Fernandinho sentiu os miolos ferverem no cocuruto da cabeça quase desprovida de cabelos. Não por idade avantajada, mas, sim, por traços de família, ele estava a caminho da calvície total, aos pouco mais de quarenta anos de idade.


Que manhã estava sendo aquela! E que manhã haveria de ser, quando ao seu fim chegasse! Quarta-feira de cinzas era um dia grande, dia de preceito na família de Pedro de Fernandinho, família originária da Tamarineira, no Recife. Terra do frevo. A família de Fernandinho de Zuliva, lá no Pernambuco, era toda ela, por assim dizer, metida no frevo e no maracatu. O avô de Pedro e pai de Fernandinho, o velho Timóteo de Zeca Cego, era chefe de grupo de maracatu rural. Do pai passou para os filhos. Destes, para os netos e daí por diante. Mesmo aqueles que se arrancharam naquele povoadozinho poeirento do sertão de Sergipe, não perdiam, quase todos, os festejos carnavalescos nas ladeiras de Olinda e no Recife velho. Todo ano era o mesmo batido. E as mesmas batidas do maracatu. E os mesmos passos do frevo. “É o que nos resta de alegria”, dizia e repetia Fernandinho, arrebanhando os seus de rota batida para a terra dos Guararapes, chovesse ou fizesse sol, a cada carnaval. 


Naquele carnaval, Pedro de Fernandinho, tocador de rabeca e sanfona de oito baixos, não acompanhou os seus ao Recife. Estava amorrinhado. Uma febre braba, que já durava quinze dias. Uma moleza no corpo, como um quebranto danado. Dor de cabeça não tinha. Nem gripe, nem nada a olho nu. Porém, alguma coisa por dentro dele dava maus sinais. Febre sempre fora uma coisa de meter arrepios. “Febre sem razão é buraco pra caixão”, lorotavam as pessoas dali. 


Mal e mal amanheceu o dia, um rapazote sardento gritou na porta de Pedro de Fernandinho: “Ô ‘seu’ Pedro Meia Garrafa! ‘Seu” Pedro Meia Garrafa!”. Ôxente! Quem diabo estava se esguelando na porta de sua casa? Era o que devia estar perguntando Pedro de Fernandinho ou Pedro Meia Garrafa, como gritava esbaforido o rapazote. Sim, este era o apelido de Pedro de Fernandinho. Destoando da maioria dos homens de sua numerosa família, Pedro não passava de um metro e sessenta, e olhe lá! Baixo, franzino, um bem-te-vi. Porém, nas cordas da rabeca ou no fole da sanfona, Pedro era um gigante. Se tivesse ido para o sul do pais, seria grande como Luiz Gonzaga. 


Que manhã, afinal, foi ou seria aquela? E qual a razão do esguelamento do rapazote, que, depois, Pedro Meia Garrafa (já não o chamo mais de Pedro de Fernandinho) viria lembrar ser um dos filhos de Maria Sacode a Saia, uma finória puxadora de samba de coco, nos tempos do São João? Coisas boas não eram. 


O filho de Maria Sacode a Saia, viúva de Clemente Guedes das Porteirinhas, tinha ido levar uma notícia desastrosa. Notícia de tirar um homem do sério, de fazê-lo cometer uma besteira ou um montão delas. Maria Sacode a Saia era comadre de Pedro Meia Garrafa. Assim que tomou conhecimento do desmantelo, cuidou logo de mandar avisar ao compadre. Afinal, gente de consideração não podia ser deixada na mão. 


Pedro Meia Garrafa ouvia o que o rapazote tinha a lhe dizer. Suspirou a muito custo. Mordiscou o beiço inferior. Cofiou o bigode de arame, grande demais para o seu tamanho, para a sua boca miúda, para o seu rosto de rego de passarinho. Despediu o rapazote e mandou agradecer à sua comadre sempre tão prestativa. Aquela manhã prometia. O dia prometia. E a noite, a noite prometia muito mais. Os dois filhos homens de Pedro Meia Garrafa tomaram o rumo do Recife com o avô, Fernandinho. Os irmãos dele e os sobrinhos também. Dos homens, só ele ficou com aquela febre de mais de quinze dias. Febre maldita! Em casa, além dele, só Pipito, o mais novo dos filhos, de apenas oito anos. Dona Caçulinha, a esposa, aconselhou que ele aguardasse os filhos chegarem com toda a parentela. O que tinha acontecido, tinha acontecido. Não havia o que fazer sobre o que era fato consumado. A partir dali, as providências poderiam ser tomadas durante toda a Quaresma. Tinha tempo.


Pedro Meia Garrafa matutou. Acendeu bem uns dez ou mais cigarros de palha, de fumo do bom, comprado na barraca de Cacetinho de Julião. A cada baforada, uma providência a ser tomada. Mais de uma vez, ele olhou para a espingarda calibre 12, dependurada no canto da sala, novinha de dar gosto. E balas especiais ele as tinha. Um homem de tutano nos ossos, de pelos nos buracos da venta, de sangue no olho, não podia deixar passar aquele episódio em brancas nuvens. Um pernambucano descendente dos guerreiros dos Guararapes, que expulsaram os batavos dos nossos rincões, não poderia deixar de agir. Faca cega causava feridas mais doloridas do que faca afiada. 


A comadre Maria Sacode a Saia só mandara lhe dar aviso porque sabia o compadre que tinha. E dele esperava uma providência de tinir, de homem que zelava pelo nome e pela condição de dono do que era seu. Desapontar a comadre? Deixar de mostrar com quantos paus se fazia uma cangalha? Jamais. 


Não dava para Pedro Meia Garrafa esperar a volta dos familiares lá do frevo pernambucano. Bem que ele gostaria de ter ido. A sua vestimenta pesada para sair no maracatu do tio Alípio Caxinguelê estivera à sua espera. Ele, como os outros, mandara o dinheiro no fim de outubro, para dar tempo de a fantasia ser preparada no capricho. Os matutos marcando passo, seguros no ritmo cadenciado do maracatu rural, enchendo os olhos dos turistas, recebendo o respeito e os aplausos de todos. E, mais do que tudo, sentindo a emoção por mais um carnaval, apesar da crise gerada pelos políticos e empresários corruptos que sangravam o país e o povo. Apesar do emaranhado bruto dos cipós da vida, ainda restava um pouco de alegria ao povo. Que ninguém roubasse o que lhe restava. Mas, também, que o povo se enchesse de brio. As urnas, mais uma vez, precisavam do povo, para encher. Porém, encher com o quê? Com votos dados a candidatos imprestáveis? O carnaval transmitia alegria, mas vida não estava mole não.


Pedro Meia Garrafa disse à mulher: “Hoje, ou vai ou racha”. 


Bem. Faço aqui uma pausa. Nunca mais eu enrolei os leitores. Estava com saudade. Todo mundo deve estar querendo saber que diabo aconteceu, a exigir  providência de cabra macho, por parte de Pedro Meia Garrafa. Vou terminar por aqui, deixando vocês com água na boca, ou, quem sabe, com a boca seca. Não aconteceu nada, porque não tinha nada para acontecer. Querem me xingar? Xinguem...!!! Quá, quá, quá, quá, quá...


Um abraço para os leitores. Um cheiro e um queijo para as leitoras. Bom fim de semana. 


Post scriptum: Ah, não vale xingar a mãe!


PADRE. ADVOGADO. PROFESSOR DA UFS. MEMBRO DA ASL DA ASLJ E DO IHGSE


Confira AQUI mais artigos do José Lima Santana
Confira AQUI mais artigos da autoria de José Lima Santana publicados no ClicSergipe antigo

Matérias em destaque

Click Sergipe - O mundo num só Click

Apresentação