Aracaju (SE), 21 de maio de 2022
POR: SES/SE
Fonte: SES/SE
Em: 27/01/2022 às 15h21
Atualizada: 27/01/2022 às 17h29
Pub.: 27 de janeiro de 2022

Campanha de combate à Hanseníase oferece exames à população no Hospital Universitário da UFS


O mês de Janeiro, anualmente, ganha a cor roxa e impulsiona diversas ações de conscientização da população para o diagnóstico e tratamento da doença. Nesse sentido, uma série de ações foram realizadas no HU/UFS com o propósito de testar e orientar os sergipanos.


Campanha de combate à Hanseníase oferece exames à população no Hospital Universitário da UFS (Foto: Valter Sobrinho/ SES/SE)

Campanha de combate à Hanseníase oferece exames à população no Hospital Universitário da UFS (Foto: Valter Sobrinho/ SES/SE)


“A Secretaria de Estado da Saúde se preocupa muito em qualificar nossa rede e toda a população sobre o tema, por isso, na terça-feira tivemos uma web palestra promovida pela Diretoria de Vigilância em Saúde/SES, que atua com o Programa Estadual de Controle da Hanseníase, com a médica especialista em hanseníase e coordenadora do Ambulatório de Dermatologia do Hospital Universitário (HU/UFS), Ana Luiza Furtado. Na ocasião ela orientou os profissionais da atenção primária acerca do diagnóstico e tratamento da doença. Na data de hoje, aqui no Hospital Universitário, teremos exames gratuitos e uma palestra educativa com os pacientes, apresentando as particularidades da hanseníase e focando ainda na questão do autocuidado, para que eles tenham noção das precauções individuais necessários”, explica a secretária de Estado da Saúde, Mércia Feitosa.


A palestra destinada às pessoas que compareceram para a testagem, foi conduzida pela médica dermatologista do H.U-UFS e Vice-presidente da Sociedade de Dermatologia em Sergipe, Martha Débora Lira Tenório. De acordo com a especialista em Hanseníase, um momento fundamental para promover a Educação em Saúde. “É muito importante que a população conheça a hanseníase, é uma doença que apesar de muito prevalente, é pouco conhecida em nosso país, por isso, precisamos falar mais para que as pessoas possam suspeitar, conhecendo os principais sinais e sintomas. A população teve muitas dúvidas hoje, no início eu perguntei se já tinham ouvido falar sobre a hanseníase e a minoria disse que tinha informação sobre a doença, dentre aqueles que já tinham ouvido falar, os sintomas eram desconhecidos”, compartilhou Martha.


Martha aproveitou para tranquilizar os presentes, desconstruindo possíveis medos e preconceitos em relação à hanseníase. “A hanseníase é uma realidade que pode acontecer com qualquer um de nós. A principal mensagem que a gente quer passar é: existe tratamento gratuito pelo SUS e essa enfermidade tem cura. O tratamento está disponível em todas as Unidades Básicas de Saúde e, em Sergipe, temos duas referências que são o HU da UFS e o CEMAR, localizado no bairro Siqueira Campos, mas todos os médicos estão aptos para o diagnóstico e tratamento”, salientou.


Os moradores da região do HU da UFS, aproveitaram a oportunidade para verificar manchas na pele que apareceram há mais de um ano, esse é o caso de Rosângela Santos e José Wilton Silva, moradores do bairro 18 do forte. “Eu tenho uma mancha no braço e aproveitei para tirar a dúvida, ver se por acaso é hanseníase. Achei muito importante essa iniciativa, é muito útil à população”, afirma Rosângela enquanto espera o atendimento. No caso de José Wilson que trabalha como caminhoneiro, as manchas começaram a aparecer em todo o corpo. “Eu soube da campanha pela TV e corri aqui para o HU Eu pude assistir a palestra e foi muito boa, tirou as minhas dúvidas sobre a doença. Faz uns anos eu tenho algumas manchas na pele e nunca descobri a causa, mas o teste mostrou que não é hanseníase, então, estou mais tranquilo e vou continuar investigando”, expressa o paciente aliviado com o resultado.


A referência técnica do Programa Estadual de Hanseníase da SES, Fátima Dias, falou da importância de romper com o estigma que ainda existe acerca da doença. “Quem tem os sinais e sintomas, precisa comparecer a esse chamado. O nosso grande desafio é quebrar o estigma ainda presente em relação à doença que tem tratamento e cura. O autopreconceito é algo que, às vezes, impede que os pacientes queiram fazer o tratamento na unidade de saúde mais próxima a sua residência, geralmente, eles se deslocam para que os serviços de referência para ocultar que tem a doença. Alguns até pede que a equipe do seu território não seja comunicada, porém, é preciso tratar a hanseníase, inclusive, as pessoas com quem os casos confirmados residem ou tiveram contato prolongado. Quem transmite a hanseníase são pacientes que têm a doença e estão sem tratamento, iniciou o tratamento param de transmitir. É uma doença de período de incubação prolongado, o ideal é que os contactantes não confirmados sejam acompanhados uma vez ao ano para exame dermatoneurológico, por um período de 05 anos. Essa é uma forma de quebrar a cadeia de transmissão”, diagnóstico em tempo oportuno e tratamento até a cura salienta Fátima.


Em relação à situação da hanseníase em Sergipe, Fátima Dias, afirmou ter havido decréscimo no número de casos em virtude da pandemia. “Há um decréscimo nos números da hanseníase no estado desde 2020 e atribuímos, além do período pandêmico, à possível subnotificação”, pois, a hanseníase é uma doença silenciosa, e requer investigação de sempre que há um decréscimo. Essa redução não é para ser comemorada, deve servir de alerta para investirmos mais em campanhas informativas, em ações de educação em saúde e alcançarmos os casos não notificados. “Temos um registro expressivo de contatos não investigados”, disse.


A referência técnica da SES aproveitou para reforçar sobre os sintomas e consequências da falta de tratamento dos casos de hanseníase. “É uma doença que quando não tratada pode levar a sequelas permanentes. Os sintomas mais comuns são manchas na pele com perda de sensibilidade térmica, tátil e dolorosa. Além disso, a pessoa pode sentir tremores, sensação de fisgadas, o que já sinaliza para algum grau de comprometimento da parte nervosa. A doença causa perda da força nos membros superiores e inferiores devido ao espessamento do nervo e, em alguns casos quando não tratado pode evoluir para perda da visão; movimentos das mãos; queda do septo nasal; e ou queda plantar – pé caído”, destaca Fátima em relação à gravidade da Hanseníase.

Matérias em destaque

Click Sergipe - O mundo num só Click

Apresentação