Aracaju (SE), 04 de dezembro de 2020
POR: Tatianne Melo
Fonte: Assessoria
Em: 15/07/2020 às 17h08
Pub.: 15 de julho de 2020

Chapa liderada pela professora Denise Albano repudia forma como Eleição na UFS ocorreu


Eleição que definiu a lista tríplice para reitor e vice foi marcada por protestos de conselheiros e comunidade acadêmica.


Chapa 2 - RenasceUFS - professora Denise Albano e Aderval Aragão (Foto: Assessoria)

Chapa 2 - RenasceUFS - professora Denise Albano e Aderval Aragão (Foto: Assessoria)


Candidata na eleição da Reitoria da Universidade Federal de Sergipe (UFS), a Chapa 2 (RenasceUFS) - que tem como candidata a reitora a professora Denise Leal Albano e candidato a vice-reitor o professor Aderval Aragão - repudia a realização da reunião dos Conselhos Superiores da UFS, ocorrida nesta quarta-feira, 15, que definiu a lista tríplice para a sucessão da Reitoria.


“Foi uma eleição sem respeito às regras claras previamente estabelecidas, com falta de transparência, sem o sistema de votação ter sido auditado e sem garantia do sigilo dos votos”, enfatiza a professora Denise.


O resultado era previsível: os candidatos do atual reitor da UFS, Angelo Antoniolli, foram os "escolhidos" por ampla maioria de votos dos conselheiros como reitor (Valter Joviniano) e vice-reitor (Rosalvo Ferreira).


“O Reitor da UFS aproveita o período de pandemia para golpear nossa instituição, revelando, nesse processo, seu descompromisso com limites éticos e legais. Testemunhamos a vitória de pirro de seus candidatos, cujas ideias e propostas ninguém conhece. Eles não se inscreveram em um processo eleitoral, a exemplo da Consulta Pública que seria realizada em março e foi cancelada devido à pandemia do novo coronavírus”, destaca a professora.


“A realidade é que os candidatos do atual reitor fizeram uma campanha espúria e nem mesmo se declararam impedidos, por imposição da moralidade pública, de participar de uma votação entre algumas dezenas de votantes em que eram candidatos e eleitores”, diz a candidata da chapa 2.  


A professora Denise alerta que, caso houvesse o empenho de lideranças estudantis e sindicais, e também de conselheiros, pela aprovação da estatuinte, antes tão defendida na UFS, a obrigatoriedade de prévia consulta à comunidade seria hoje uma realidade no processo eleitoral da universidade.


“Diante disso tudo, continuaremos sem compactuar com uma democracia de conveniência, lutando por eleições limpas, regidas pela legalidade e moralidade pública, nos termos de um Estado Constitucional e Democrático de Direito”, finaliza Denise.

Matérias em destaque

Click Sergipe - O mundo num só Click

Apresentação