Aracaju (SE), 01 de junho de 2020
POR: Governo de Sergipe
Fonte: Governo de Sergipe
Em: 30/03/2020 às 00h00
Pub.: 31 de março de 2020

Termelétrica de Sergipe já tem autorização da ANEEL para operação comercial na geração de energia


Projeto da Celse é o primeiro que integra uso de GNL para gerar energia no Brasil.


Termelétrica de Sergipe já tem autorização da ANEEL para operação comercial na geração de energia (Foto: Arthuro Paganine/ Governo de Sergipe)

Termelétrica de Sergipe já tem autorização da ANEEL para operação comercial na geração de energia (Foto: Arthuro Paganine/ Governo de Sergipe)


A Usina Termelétrica Porto de Sergipe I recebeu a autorização da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) para entrada de operação comercial das quatro unidades geradoras de energia da usina. A termelétrica das Centrais Elétricas de Sergipe (Celse), empresa formada pela EBRASIL e pela Golar Power, é a maior da América Latina em seu segmento e vai gerar e comercializar energia elétrica a partir de unidades geradoras de energia a gás e a vapor.


O Projeto da Celse é o primeiro que integra uso de GNL para energia no Brasil. A iniciativa inclui um terminal de regaseificação de GNL e uma unidade flutuante de armazenamento (FSRU) com 170 mil m³ de capacidade de armazenamento e de regaseificar até 21 milhões de m³ por dia de gás natural.


A decisão da ANEEL envolve três unidades geradoras de 332,724 MW de capacidade, cada uma, e outra com capacidade de 517,470 MW, mas que foi liberada para atuar com potência limitada a 445,022 MW. A usina, movida a gás natural, passa a ser a maior térmica em operação no país, somando 1515, 63 MW de potência outorgada. A autorização começou a valer no dia 21 de março.


De acordo com a Golar Power, o projeto revoluciona a maneira como a energia é entregue a milhões de pessoas no Brasil, permitindo que o país atenda a sua crescente exigência de capacidade de carga básica, usando uma usina de grande escala alimentada por GNL, um combustível mais limpo e confiável. Ainda segundo a empresa, o empreendimento facilitará a transição do Brasil para fontes de geração de energia de baixo carbono, além de promover o uso de GNL para equilibrar e diversificar o suprimento de energia.


Sobre a usinaA UTE Porto de Sergipe é considerada uma térmica bastante inovadora e 100% flexível para o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), afinal, o Brasil tem um sistema energético interligado. O Nordeste possui  35 térmicas (a gás, diesel, etc), porém a UTE Porto de Sergipe é uma das mais modernas e baratas para o sistema entre as similares, com cerca de 63% de eficiência. 


Com investimento de R$ 6 bilhões, a usina de Sergipe poderá suprir 15% da demanda de energia do Nordeste. A receita anual, menos os custos operacionais previstos, são estimados em R$ 1,1 bilhão. As receitas previstas ao longo da vida do projeto, sem ajuste inflacionário, deverão totalizar R$ 27,5 bilhões. 


O início das operações da usina também desencadeou o início dos pagamentos de fretamento de barcos para o Terminal de Regaseificação. São esperadas receitas anuais, menos os custos operacionais previstos, de US$ 43,9 milhões.


Segundo o engenheiro Marcelo Menezes, assessor técnico da Secretaria do Desenvolvimento Econômico, da Ciência e Tecnologia (Sedetec), a operação com o terminal de GNL é fundamental para a evolução do trabalho que o Estado vem fazendo junto à Agência Nacional de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (ANP), CELSE, Golar e TAG. "Estamos buscando a implantação de um gasoduto de transporte interligando o terminal de GNL ao gasoduto da TAG (Catu Pilar), de forma a possibilitar a injeção de gás no sistema de transporte do Nordeste, o que trará segurança para o sistema e potencializará arrecadação para o Estado de Sergipe", completa.

Matérias em destaque

Click Sergipe - O mundo num só Click

Apresentação