Aracaju (SE), 26 de janeiro de 2021
POR: José Lima Santana
Fonte: José Lima Santana
Em: 26/12/2020 às 08h36
Pub.: 28 de dezembro de 2020

2021 :: Por José Lima Santana


José Lima Santana (Foto de arquivo: Click Sergipe)

José Lima Santana (Foto de arquivo: Click Sergipe)

José Lima Santana*


Aí vem 2021. O início da terceira década do século XXI. O ano novo começará com as mesmas ansiedades e angústias que marcaram 2020, em face da pandemia da covid-19, que ainda poderá se alastrar de forma avassaladora, caso a mutação “inglesa” do novo corona-vírus tenha força suficiente para se disseminar e tenha letalidade igual ou superior à cepa inicial? Não se sabe. Caso se verifique a disseminação e a letalidade incisivas da nova cepa, de pronto uma pergunta se faz: as vacinas ora em andamento serão eficazes contra essa mutação? Eis, pois, um problema a ser enfrentado. Algumas vacinas já estão sendo testadas contra a nova cepa. Aguardemos os resultados. 


O ano que se finda, 2020, começou sem que tivéssemos ideia do que poderia ocorrer. Somente a partir de março a “luz vermelha” se acendeu de forma vigorosa. Terrível. Fomos apanhados de surpresa. Não pudemos ou não soubemos lidar com a situação de forma adequada, no Brasil. Não soubemos conviver com o novo cenário. Não tomamos, no conjunto da população, as precauções necessárias em termos de utilização de máscaras, de higienização das mãos, de distanciamentos etc. Por outro lado, além da falta de processos educativos/sanitários maciços, bem elucidativos, através de todos os meios de comunicação social, a cargo dos governos federal, estaduais e municipais, ainda tivemos que assistir à deplorável queda de braços entre governantes. Uma situação insana e ridícula para um país que pretende ser democrático, não apenas na retórica constitucional. Porém, não tem conseguido se afirmar como tal, sobretudo, nos últimos anos, por conta dos desvarios de determinados agentes políticos, que não se dão ao respeito de olhar para o povo e suas necessidades prementes, mas, sim, volvendo o torto olhar para os embates eleitorais futuros, ou seja, de 2022. Que pena! E que vergonha!


O ano novo está batendo à nossa porta. Que venha. Mas, que saibamos lutar contra as dificuldades que ainda enfrentaremos. E não serão poucas. A economia destroçada. Os empregos faltantes. A renda das famílias minguando. A saúde pública cada vez mais periclitante. A educação de crianças, adolescentes e jovens seriamente abalada, prejudicada, com aulas on-line, às vezes com certa qualidade, mas, em muitos casos, especialmente, na educação pública básica, com muitas deficiências, que prejudicam sensivelmente os corpos discentes. 


As vacinas estão por vir. Quando? Como? O Ministério da Saúde ainda titubeia. Alguns governantes estaduais anunciam medidas à frente das medidas do Ministério. Jogadas políticas, ou melhor, politiqueiras? Ou medidas que se fazem necessárias, embora localizadas, à falta de uma política de vacinação especial por parte do governo federal? Não estamos diante de uma política de vacinação nacional comum. Não estamos enfrentando surtos da poliomielite ou sarampo, por exemplo. Nem da gripe. Não se trata de uma “gripezinha”. Não! Longe disso. Enfrentamos a pior crise sanitária das últimas décadas. A pior desde a “gripe espanhola”, que de 1918 a 1920 infectou cerca de 500 milhões de pessoas, um quarto da população mundial de então, e matou cerca de 50 milhões de pessoas. Diferentemente de 1918, nós, agora, temos condições muito melhores, econômicas e tecnológicas, de vencer a pandemia. Contudo, é preciso a conjugação de esforços de todos, dos governos e do povo. Se os governos se digladiam, quando deveriam se unir em favor do país e do povo, cabe a cada um de nós velar pelos cuidados que devemos ter. Que não continuemos a afrouxar esses cuidados.


Todo ano novo é sinal de esperança. Que não a percamos. Que continuemos a confiar em Deus, se somos crentes n’Ele, ou, se não cremos, que façamos a nossa parte, no mínimo. Crentes ou não, somos membros da mesma Humanidade. O mundo tornou-se, há muito, uma aldeia global. Que a globalização nos possa trazer o que houver de melhor, numa socialização do que a civilização humana tem produzido de mais salutar no chamado “mundo cultural” ou “mundo construído”, que edificamos sobre as bases do “mundo natural”. Que a globalização não nos traga apenas os grilhões do sistema financeiro internacional selvagem, que faz o homem ser explorado pelo homem e que propicia a afirmação cada vez maior das injustiças sociais. 


Não percamos a esperança. Todavia, lutemos para que ela se trone realidade palpável. A esperança nos leva a agir; nos impele a crer; nos move no sentido de assumir as responsabilidades que nos competem, enquanto seres sociais que vivemos na polis. Nós vivemos e convivemos. Nós somos seres da polis, que agimos e interagimos, para a consecução dos nossos objetivos, individuais e coletivos. Enfim, devemos buscar o alcance do bem comum, que, como bem o disse Miguel Reale, “é a conjugação harmônica do bem de cada um com o bem de todos”. 


As vacinas estão vindo. Que venham o mais rápido possível. Que as brigas eleitoreiras de determinados governantes fiquem circunscritas a eles mesmos, sem que o povo seja atingido. Que não nos faltem as efetivas práticas governamentais pelas quais pagamos os nossos tributos. Precisamos de políticas de saúde, e não de política na saúde, como afirmou um infectologista e professor da UFRJ. 


Aí vem 2021. Que venha! E que possamos e saibamos enfrentá-lo, vencendo os novos desafios. 


Por fim, desejo a todos um ANO NOVO com muitas vitórias.


*Padre, advogado, professor da UFS, Membro da ASL, da ASLJ, da ASE, da ADL e do IHGSE

Matérias em destaque

Click Sergipe - O mundo num só Click

Apresentação