Aracaju (SE), 19 de junho de 2021
POR: Flávia Albuquerque
Fonte: Agência Brasil
Em: 14/05/2021 às 15h27
Pub.: 14 de maio de 2021

Óbitos de grávidas em 2021 já ultrapassam total de 2020


Em todo o ano de 2020 foram 457 mortes, enquanto em 2021 foram 642.


Óbitos de grávidas em 2021 já ultrapassam total de 2020 (Foto: Ana Nascimento/ MDS/ Portal Brasil)

Óbitos de grávidas em 2021 já ultrapassam total de 2020 (Foto: Ana Nascimento/ MDS/ Portal Brasil)


Os óbitos de grávidas e puérperas (mulheres que tiveram filho recentemente)  chegaram a 642 em 2021. Os dados foram atualizados ontem (13) pelo Observatório Obstétrico Brasileiro Covid-19 (OOBr Covid-19). Com esse número, o ano de 2021 já tem mais mortes maternas do que o registrado em todo o ano passado no país (457 mortes). 


Segundo o OOBr Covid-19, desde o início da pandemia, uma a cada cinco gestantes e puérperas mortas pelo novo coronavírus não teve acesso a unidades de terapia intensiva (UTI) e 33% não foram intubadas, perdendo assim a chance de serem salvas.


 “O que nós temos percebido no Brasil é uma dificuldade de estruturação da rede de atenção à gestante e à puérpera com covid. Quando falamos sobre UTI é difícil ter serviços estruturados em hospitais onde podemos ter essas pacientes assistidas por obstetras especializados em gestação de alto risco e equipe de intensivistas trabalhando juntos para que essa atenção possa ocorrer da melhor forma”, disse a criadora do OOBr Covid-19 e presidente da associação de Obstetrícia e Ginecologia de São Paulo (Sogesp), Rossana Pulcineli Vieira Francisco.


Os dados mostram ainda que entre março de 2020 e 12 de maio de 2021 são 11.664 casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) por covid-19, com 1.099 óbitos (9,4%) entre grávidas e puérperas. Outros 10.818 registros de SRAG com 274 mortes entre gestantes e puérperas, podem ser também episódios de covid-19, na avaliação dos pesquisadores.


Para Rossana o grande número de gestantes e puérperas internadas e os óbitos por SRAG com causa não especificada pode indicar a baixa testagem. “Isso nos preocupa muito porque pode ser um motivo para subnotificação para casos de covid-19. Dessa forma, podemos pensar que isso está acontecendo também em outros grupos de pacientes”, finalizou a obstetra.


Edição: Aline Leal

Matérias em destaque

Click Sergipe - O mundo num só Click

Apresentação