Aracaju (SE), 08 de agosto de 2022
POR: José Lima Santana
Fonte: José Lima Santana
Em: 27/05/2022 às 19h36
Pub.: 30 de maio de 2022

As loterias :: Por José Lima Santana


José Lima Santana - Foto: Arquivo Pessoal

José Lima Santana - Foto: Arquivo Pessoal

José Lima Santana*


Sertões. Como era mais ou menos esperado, o caso das loterias de Pedro Pimentel veio à tona, a Polícia dando em cima, a mando do prefeito Manoel Porrada. Pimentel fora, por longos anos, eleitor de Porrada, cuja alcunha vinha dos tempos em que o prefeito não passava de um reles ladrãozinho de frutas nos sítios alheios, menino ainda, mas bom de briga. Na última eleição estadual, Pedro Pimentel bandeou-se para o lado de Francisquinho de Getúlio do Grotão, médico em início de carreira e filho do lugar. O Dr. Francisco Correia D’Antas elegeu-se deputado estadual com uma votação jamais vista no Estado. Contando com apenas três anos de exercício da profissão, o médico Francisquinho, clinicando em cinco cidades sertanejas, arrebanhou os votos quase todos dali, além dos votos que o seu sogro arranjara na região Sul, onde o mesmo era destacado líder político. 


Pedro Pimentel vivia de fazer loterias. Clandestinas. Mas, ninguém jamais se incomodou com aquilo. Ao contrário, a clientela era demasiadamente grande. A Polícia fazia vistas grossas. A Lei de Contravenções Penais ainda não tinha aportado em Brejão de Dentro, cidade do prefeito Manoel Porrada. Porém, foi só Pimentel virar as costas para o prefeito, e a desgraça caiu sobre ele. O delegado Macário Argolo, tenente reformado, levantaria coturno, sabre e palmatória contra ele. “O prefeito molhou a mão do delegado”, vociferou Armandinho de Tonho Fubá, cunhado e gerente de Pedro Pimentel. 


Foi numa manhã de quarta-feira, véspera de São João, que o delegado Macário Argolo “virou” a banca das loterias de Pimentel. Prendeu três empregados e o gerente Armandinho, na casa das apostas. Pimentel estava de viagem à capital. Naquele tempo, a única comunicação regular entre Brejão de Dentro e a capital era a marinete de Roberto Mimoso, um caco de vinte e tantos anos, comparado de terceira mão. Ao ser conduzido por dois policiais, o cabo Frutuoso e o soldado Tonho de Chica, Armandinho, ao passar em frente à casa de seu irmão Afonso de Tonho Fubá, deu orientação para, no carro de praça de Marcolino de Ticão, dar conta de Pedro Pimentel, que deveria estar entre a casa que mantinha na capital, para abrigar os filhos estudantes, e a funerária “Destino Certo” do seu primo Anacleto, que lhe servia de escritório quando pisava os pés naquela cidade.


Dos três empregados de Pedro Pimentel, Mané Zoinho choramingava, dizendo que nunca pisou os pés na delegacia, que era um homem de família e que o prefeito era um despeitado. Tudo isso era verdade, mas a verdade maior, se havia uma, era a determinação do prefeito. Afinal, o governador era do seu Partido e a Polícia estava nas mãos do Governo. Vingança pessoal através do aparato estatal. 


Abancado no armazém de secos e molhados de Rufino de Zé Catenga, quartel-general das reuniões com os seus apaniguados, o prefeito Manoel Porrada palitava os dentes, como por ali se dizia, quando alguém estava degustando um feito de qualquer ordem. “Mandei prender. Pena que o safado escapou. Deve ter sido informado. O tenente vai me prestar contas disso. Algum soldado meliante deve ter dado com a língua nos dentes. Agora, quero ver o tal deputadozinho resolver a questão. Eu sou do governo e a Polícia está do meu lado. Deixe inchar”. 


No meio da tarde, Afonso de Tonho Fubá deu com Pedro Pimentel na funerária do primo. Narrou o ocorrido. Pimentel subiu nos tamancos. Vociferou. Disse mil e um impropérios contra o prefeito e o delegado, que se vendeu. Não chegava o que ele lhe dava todo mês, um conto e duzentos, no contado, para manter as suas loterias livres? Que negócio era aquele, agora, de falar em lei? Lei era o seu dinheiro a encher o bolso do delegado. Quanto Manoel Porrada teria desembolsado para o tenentezinho se arvorar em autoridade? E ele era autoridade para tanto? Era juiz? Desembargador? O que ele pensava que era?  


O primo Anacleto tentou acalmar Pimentel, que estava nos azeites. Voltaria imediatamente a Brejão de Dentro. Tomaria satisfações com o delegado. Se preciso fosse, meteria o pé na porta do prefeito. Para tanto, era homem. Um filho de Amâncio Pimentel, seu saudoso pai, tropeiro de respeito nos sertões, cativado por cangaceiros e volantes, a todos dizendo “sim”, quando era para dizer “sim, e dizendo “não”, quando era para dizer “não”, ser desfeiteado daquele jeito? Tinha matado? Não. Tinha roubado? Não? Tinha deflorado? Não. Vivia do seu trabalho com as loterias há mais de vinte anos, sem incomodar e sem ser incomodado. Quantas vezes Manoel Porrada fez uma fezinha? Centenas. E a sua laia toda, como todo mundo de Brejão de Dentro e das redondezas? Vinha, agora, o tal delegado, que encheu os bolsos com o seu dinheiro, falar numa tal de Contravenção. Contravenção uma ova!


Pedro Pimentel iria, sim, voltar para casa. Tomar providências. Antes, porém, falaria com o deputado. O seu deputado. Tomou o rumo da Assembleia. E ali o encontrou. O deputado Francisquinho, Dr. Francisco, para melhor entendimento, ouviu os queixumes do cabo eleitoral. “O senhor não se avexe. Vou, agora mesmo, falar com o governador. Ele está me devendo uma. Ontem, eu lhe prestei um favor, votando em um projeto de lei do governo. Meu tio Lourival, que é amigo dele, pediu-me esse obséquio. Era um projeto bom para os funcionários públicos. Só por isso, eu não poderia deixar de votar. Não faço oposição por fazer. Mas, o pedido do tio veio a calhar. Vamos, agora, colher os frutos”.


A conversa do deputado com o governador foi rápida e resolutiva. Telefonema ao secretário da Segurança Pública. Este encaminhou um capitão da ativa a Brejão de Dentro, para assumir a delegacia. Passava das oito da noite quando a troca foi efetuada. O carro que levou o capitão ao Brejão, conduziu o tenente à capital. Os três presos foram imediatamente soltos. As loterias de Pedro Pimentel teriam vida longa.


No dia seguinte, um caixão de defunto amanheceu na porta do prefeito Manoel Porrada. Em novembro, o candidato à sua sucessão foi fragorosamente derrotado. O seu mando político, de quase vinte anos, chegara ao fim. Armandinho de Tonho Fubá, cunhado e gerente de Pedro Pimentel, elegeu-se prefeito. As loterias, claro, o ajudaram. Sertões... Tempos de antanho. Aluados tempos.


*Padre, advogado, professor da UFS, membro da ASL, da ASLJ, da ASE, da ADL e do IHGSE.

Matérias em destaque

Click Sergipe - O mundo num só Click

Apresentação