Aracaju (SE), 03 de julho de 2022
POR: José Lima Santana
Fonte: José Lima Santana
Em: 14/05/2022 às 22h50
Pub.: 16 de maio de 2022

Alienígenas :: Por José Lima Santana


José Lima Santana - Foto: Arquivo Pessoal

José Lima Santana - Foto: Arquivo Pessoal

José Lima Santana*


O monumento ao Imperador foi o primeiro alvo. Caiu. Não sobrou uma pedra. Tudo virou pó. Dava para ter uma ligeira impressão do que ocorreu em Hiroshima e Nagasaki, em agosto de 1945. O que estava acontecendo na pequena capital, acontecia noutras cidades brasileiras e estrangeiras? Uma moça que estava na Praça da Assembleia tentou correr para o carro. Não deu tempo. Foi pulverizada. A partir dali, caiu uma incessante chuva de fogo sobre a cidade. Milhares de artefatos como se fossem raios laser devastadores. Destruição. Carnificina. Bairros inteiros destruídos. Um gato preto saltou de uma janela e foi colhido no ar. Desintegrou-se. 


O azul do céu tornou-se vermelho-alaranjado. Rolos de fumaça empreteciam o baixo espaço. Às explosões seguiam-se a liberação de radiação e o pulso eletromagnético. A formação de uma onda de choque inicial causava um deslocamento de ar capaz de derrubar prédios no alcance de 500 metros em circunferência. Não dava para precisar se os artefatos funcionavam por uma espécie de fissão nuclear, ou seja, com a “quebra” de átomos, liberando grande quantidade de energia, ou por algum modo de fusão nuclear, com funcionamento contrário, isto é, com a “união” de átomos para liberar energia. O fato era que alienígenas, vindos sabia-se de onde, castigavam o já castigado planeta Terra. De naves espaciais gigantescas saiam naves pequenas, que despejavam os artefatos da destruição.


No bairro Jabuti, César Jean ligou a TV, após receber um telefonema do primo Antoninho. O primo falou e calou. Um barulho esquisito interrompeu a ligação. O apresentador da TV disse alguma coisa sobre uma invasão em vários lugares e não disse mais nada. Chuviscos na tela. O rapaz olhou pela janela do sexto andar. A cidade tinha virado uma espécie de Sodoma. A destruição aproximava-se. Descalço como estava, ele saiu do apartamento e tentou acessar o elevador. Emperrado. Buscou a escada. A porta corta-fogo estava trancada. Viu, então, um clarão aproximar-se. O inferno abriu suas portas e expeliu toda a sua pestilência: enxofre e fogo. Na noite anterior, ele disse à mãe que tinha um pressentimento de que o mundo iria se acabar a qualquer momento. Dona Celina riu. “Você está exagerando cada vez mais. Devem ser esses filmes idiotas que fica vendo na TV”. Mas, ele tinha certeza de que o mundo estava prestes a explodir ou a ser explodido. “Ah, não pode ser a Rússia, que já está por aqui”! Foi o que ele pensou, sem querer ter pensado. Havia alienígenas mercenários contratados pelo Putin? Ia-se saber! 


Desesperado, César Jean, de 17 anos voltou ao apartamento. Pela janela, que continuava aberta, pôde ver aeronaves de formato estranho despejando raios mortíferos. Logo, o condomínio começaria a ruir. As pessoas não tinham tempo para entrar em pânico. Eram devoradas pela energia liberada. Ele resolveu tentar escapar de maneira suicida. Pularia do sexto andar. Usaria um colchão, que amorteceria a queda sobre o telhado de zinco do abrigo dos carros. Se desse tempo. 


Alienígenas. Ele tinha razão. A mãe estava no trabalho. Ela não lhe dera ouvidos. Estaria viva? Quem poderia saber? Já tinha ligado para ela trocentas vezes. Nada. O pai estava no oco do mundo. Um andarilho. Deixou mulher e filho ainda de braço, para jogar-se com uma cantora de circo. Notícias? Nenhuma. Tempo houve em que ele queria conhecer o pai. Esse tempo passou. Não tinha raiva do pai, mas seria melhor não o ver. Agora, provavelmente, jamais o veria. Todos estariam mortos em pouco tempo. No mundo inteiro, ao que parecia. Aquela destruição não estaria acontecendo somente ali. O mundo todo estaria sendo atacado pelos seres espaciais com suas naves mortíferas. E ainda diziam que não havia vida em outros planetas. Ali estava a prova. Havia, sim.


Pulou. Como previsto, o colchão o salvou. Escorregou para a beira do telhado de zinco. Poucos metros. Caiu ainda agarrado ao colchão, no exato momento em que o prédio foi atingido. Os quatro prédios que formavam o condomínio foram arrasados. Ele conseguiu arrastar-se até um caramanchão semidestruído. Foi quase esmagado por um bloco de concreto em chamas. Se conseguisse escapar, o que era improvável, certamente não mais veria a mãe. Jamais poderia conhecer o pai. A cidade tinha virado uma fornalha. Labaredas infernais consumiam o que não tinha sido pulverizado. Logo mais, tudo seriam cinzas. 


Gritos dilacerantes eram ouvidos e, de chofre, silenciados. O mundo dos dinossauros se fora. Milhões de anos se passaram. Enfim, vieram os homens, que também estavam indo. Tudo estaria acabado em questão de minutos. Os alienígenas não queriam dominar a Terra. Apenas destruí-la. Seres perversos, ferozes e mortais, como os próprios homens, porém com tecnologia muito mais avançada.


César Jean viu uma nave descer. Parecia um pé de pato de algum tipo de metal com um brilho ofuscante. Ao redor, escombros em chamas. Ele tentou se esconder por trás de uma cadeira de balanço. Era onde um professor aposentado ruminava seus antigos sonhos, suas conquistas e seus fracassos. A nave abriu uma portinhola de poucos centímetros de largura. Um serzinho oleoso desceu. Tinha seis pernas que se moviam lentamente, uma após a outra. Bizarro e muito feio. Tinha língua parecida com a de uma serpente. Serpente de outra galáxia? Quem poderia saber...! A língua do serzinho oleoso moveu-se em sua direção. Parecia caçá-lo. Naquela devastação, sentiu-se uma presa fácil. Sucumbiria. O primo Antoninho sempre o chamava de fraco. Contudo, não era um covarde. Se tivesse de morrer, e, decerto, morreria, até porque não haveria de querer viver num mundo devastado, morreria sem medo. Haveria de morrer sem votar pela primeira vez. Tirara o título de eleitor para defender a democracia contra os corruptos e os golpistas, duas laias imprestáveis, na sua adolescente visão. Adeus eleição. Adeus vida. Adeus mundo. Levantou-se. O calor era insuportável. Tudo ardia. Caminhou resoluto em direção ao serzinho serpentoso. Um vento infernal, tangido por labaredas, queimava seu corpo. Aproximou-se do alienígena feioso. Sentiu sua língua roçando-lhe o rosto em fogo. 


Dona Celina chamou César Jean. “Acorde, dorminhoco”! Eram quase seis horas. As aulas começavam às sete. “Mãe, eu tive um sonho maluco com alienígenas”! E dona Celina: “Lá vem você de novo...”.


*Padre, advogado, professor da UFS, membro da ASL, da ASLJ, da ASE, da ADL e do IHGSE.

Matérias em destaque

Click Sergipe - O mundo num só Click

Apresentação