Aracaju (SE), 01 de julho de 2022
POR: Assessoria PGE/SE
Fonte: Assessoria PGE/SE
Em: 23/04/2022 às 00h00
Pub.: 25 de abril de 2022

Apesar de muito copiada, a arte de Beto Pezão é inconfundível


Apesar de muito copiada, a arte de Beto Pezão é inconfundível - Foto: Arquivo PGE/SE

Apesar de muito copiada, a arte de Beto Pezão é inconfundível - Foto: Arquivo PGE/SE

Artesão e escultor, José Roberto Freitas, conhecido como Beto Pezão, nasceu às margens do Rio São Francisco, em Santana do São Francisco/SE (antiga Carrapicho). Aos seis anos de idade, ganhou um pequeno torno de presente, iniciando, assim, a arte de modelar o barro. Aos nove anos, já comercializava algumas de suas peças em feiras populares. Desde menino ajudava o pai, que era escultor, no trabalho artesanal com o barro.


Em 1971, já residindo em Aracaju, teve seu trabalho valorizado, através de uma peça solidamente plantada em dois pezões que lhes davam o devido apoio: criava, assim, a sua marca registrada, conhecida até hoje e, definitivamente, incorporou à sua obra a partir de 1972. A princípio, a ideia de usar os pés grandes, como forma de sustentação das esculturas, foi reprovada pelo seu pai/mestre, mas não demorou muito para ser aceita pelas pessoas e divulgada pela mídia como uma verdadeira obra de arte.


Esculturas de madeira
Antes de seu reconhecimento no universo da modelagem do barro, Beto Pezão fazia esculturas em madeira. Elegeu definitivamente o barro por perceber que esse material lhe oferecia na execução de suas peças “mais intimidade com as mão”. Em sua residência, mantém forno de lenha e um local adequado para estocagem de barro, procedente da terra natal.


Os trabalhos de Beto Pezão já percorreram vários caminhos mundo afora. Realizou a sua primeira exposição no exterior, a convite da Universidade Católica do Chile, país onde retornou para expor outras 5 vezes. Suas obras também são admiradas no México, na Argentina, em Portugal, no Uruguai, no Paraguai, na Venezuela e nos Estados Unidos.


Inconfundível
Na arte popular de Beto Pezão, os temas são variados, mas o seu estilo de como retratá-los, ainda que copiado por muitos artesãos, é único e inconfundível. Além dos pés grandes, suas esculturas, talhadas no barro, possuem traços fortes e detalhes marcantes e nos emocionam pela forma verdadeira de mostrar os sentimentos do povo nordestino. São figuras humanas dos sertões: vaqueiros, mendigos, pescadores, lavadeiras, vendedores, ambulantes e lavradores que expressam nos rostos as adversidades da vida agreste. Além dos sertanejos, outra paixão do artista são as imagens sacras que, igualmente, são sustentadas por imensos pés.

Matérias em destaque

Click Sergipe - O mundo num só Click

Apresentação