Aracaju (SE), 29 de setembro de 2020
POR: Marcio Rocha
Fonte: Marcio Rocha
Em: 07/02/2020 às 15h53
Pub.: 10 de fevereiro de 2020

Tarifa Branca é uma real economia para as empresas? :: Por Marcio Rocha


Tarifa Branca é uma real economia para as empresas?


Marcio Rocha (Foto: Arquivo Pessoal)

Marcio Rocha (Foto: Arquivo Pessoal)

Por Marcio Rocha


A nova modalidade de cobrança pelo consumo de energia, a “Tarifa Branca” vem como uma nova opção para que as famílias e empresas baixem os valores de suas contas mensais. Isso é relativo aos hábitos de uso energético de cada consumidor em sua casa, ou durante o horário de funcionamento do seu negócio. Tudo é relativo nesse aspecto, pois as faixas horárias são determinantes para que as contas diminuam o seu valor ou disparem com o consumo nos horários de valores majorados. Vamos descomplicar a economia e falar sobre como isso pode influir no seu negócio, então.


Se você tem uma empresa de qualquer tamanho e demanda de muito consumo de energia para fazer seu negócio funcionar, pode ser uma alternativa interessante de redução nos custos de produção, com a diminuição do valor das contas mensais. Consideremos a maior distribuidora de energia do estado como parâmetro para cálculo do consumo. Se a empresa funciona exclusivamente no horário comercial, a tarifa branca pode ser uma alternativa muito vantajosa. Pois a maior parte do consumo da empresa é no horário “fora ponta”, que sofre a considerável redução de valor no horário que vai das 0h até 16h29, levando em conta que a empresa funciona entre 08h e 19h, o consumo, mesmo mantido no mesmo nível, será menos custoso, pois terá oito horas e meia de consumo com preço reduzido. Já das 16h30 até as 19h, horário que envolve as tarifas intermediária e ponta, em que há uma elevação de preço, devido ao aumento da demanda geral por energia, o valor pago por kilowatt será maior que o convencional, podendo chegar ao dobro do preço pago com base na tarifa convencional.


Contudo, com algumas medidas de economia energética nos negócios, o consumo pode ser diminuído, e, mesmo com o preço mais elevado no horário da tarifa intermediária que seria de 16h30 às 17h29 e 17h30 às 20h29, no caso da tarifa ponta, o cálculo geral do preço da energia consumida seria menor que o valor pago atualmente. Lembre-se que a grande maioria dos empreendimentos paga atualmente a tarifa convencional, preço único por KW/h, independentemente de faixa horária. A redução do uso de luzes, aparelhos eletrônicos, ar-condicionado e outros equipamentos nessa faixa horária, podem garantir a diferença no preço a ser pago pela energia no final do mês.


Segundo alguns cálculos que fiz, a redução do preço final da conta pode ser aproximadamente de 60%, se o consumidor empresarial promover a economia de energia aliado com a tarifa branca. Deve-se ressaltar que no horário fora ponta, o custo por kilowatt cai para menos da metade do valor da tarifa convencional. No horário intermediário, o preço sofre elevação de cerca de 20%, e no horário ponta, o de maior consumo geral, o preço pode chegar ao nível de 200% do valor convencional. Então pela maior parte do tempo haver a redução no preço, com medidas simples nas duas horas e meia que a empresa funciona nos horários diferenciados, a economia será clara. Aí cabe ao empresário avaliar suas possibilidades. E deve-se considerar o cálculo do consumo de energia nos sábados e domingos, cuja tarifa fora ponta é predominante, sem mudança.


As informações aqui também valem para os consumidores residenciais. Basta avaliar o uso da energia em suas casas, de acordo com a variação de horário.

Matérias em destaque

Click Sergipe - O mundo num só Click

Apresentação