Aracaju (SE), 23 de abril de 2021
POR: SES/SE
Fonte: SES/SE
Em: 30/03/2021 às 00h00
Pub.: 30 de março de 2021

Transtorno bipolar pode afetar mulheres com depressão pós-parto


Psicóloga Naiara França da Silva (Foto: SES/SE)

Psicóloga Naiara França da Silva (Foto: SES/SE)

A gravidade da depressão pós-parto e a possibilidade do Transtorno Afetivo Bipolar (TAB) é uma das preocupações dos especialistas em todo o mundo. Na Maternidade Nossa Senhora de Lourdes, a psicóloga Naiara França da Silva, alerta para os cuidados com o TAB. Ela observa que embora a depressão pós-parto possa trazer características semelhantes ao TAB, a maior parte das mulheres que desenvolve essa crise não recebe o diagnóstico de bipolaridade.


Naiara deixa claro que é muito importante a mulher manter a doença estabilizada e a sua saúde emocional estável durante toda a gravidez e após o parto. “A mulher com TAB apresenta um risco maior de sofrer com o episódio depressivo ou maníaco, principalmente, nos primeiros três meses após o parto”, alerta a psicóloga. Ela esclarece que é preciso entender que o diagnóstico só ocorre quando o paciente já manifestou episódios depressivos maiores, maníacos e hipomaníacos”, ressalta.


A especialista observa que os episódios depressivos ou de mania duram aproximadamente duas semanas, não se alternando a cada momento do dia. Além disso, mudar de ideia, como explica a psicóloga, não caracteriza que a pessoa tem um transtorno deixando claro que existem tratamentos muito eficientes. “Pesquisas apontam que o TAB está relacionado aspectos biopsicossociais. Sendo assim, os pacientes podem contar com tratamento psicoterápico e psiquiátrico para lidar com a situação”, atenta.


Entenda
Naiara explica que esse distúrbio é caracterizado por duas fases que envolvem mudanças claras de humor na energia e nos níveis de atividade: Transtorno Bipolar tipo 1 (Mania): os sintomas são mais intensos e caracterizado por fases de humor eufórico combinados ao estado mais leve de excitação e otimismo exagerado. Transtorno Bipolar tipo 2 (depressivo): Os episódios de depressão são mais frequentes e os sintomas estão mais ligados à tristeza profunda, a desesperança e a falta de estímulo para com a vida.


Há diferentes situações que se dividem em episódios maníacos que envolvem humor elevado ou irritado. Geralmente começa abruptamente e duram entre duas semanas e até cinco meses. Já nos outros episódios, a pessoa se sente muito triste e perde o interesse nas suas atividades. Pensa e se move lentamente e pode dormir além do normal. Pode se sentir sobrecarregada por sentimentos de desesperança e culpa. Esses episódios tendem a durar mais tempo, em média seis meses”, assegura a especialista.


Segundo a psicóloga, a importância do diagnóstico precoce está em minimizar os prejuízos funcionais advindos e observa que caso o transtorno não seja tratado precocemente e adequadamente, podem ocorrer sérios problemas, como o risco de suicídio, prejuízo escolar, abandono escolar, uso de substâncias psicoativas, discórdia familiar, dificuldade de relacionamento interpessoal e retraimento social. “O diagnóstico e tratamento otimizados são essenciais para diminuir o sofrimento dos pacientes, além de reduzir a cronicidade, a morbidade e a mortalidade associadas a essa condição”, conclui a psicóloga.

Matérias em destaque

Click Sergipe - O mundo num só Click

Apresentação