Aracaju (SE), 06 de julho de 2020
POR: Assessoria de Imprensa Unit
Fonte: Assessoria de Imprensa Unit
Em: 25/06/2020 às 14h16
Pub.: 25 de junho de 2020

Violência doméstica contra o idoso: a complexa relação de poder, fatores psicológicos, diferenças culturais e comportamentais


Instituído pela Organização das Nações Unidas (ONU), o mês de junho ganhou a cor violeta para destacar a conscientização e o combate à violência contra os idosos. Neste atual momento que a sociedade vivencia diante da pandemia do novo coronavírus, os números de violência doméstica cresceram mundialmente. 


rofessora do curso de Psicologia da Unit e doutora em Saúde e Ambiente, Jamile Teles (Foto: Assessoria de Imprensa Unit)

rofessora do curso de Psicologia da Unit e doutora em Saúde e Ambiente, Jamile Teles (Foto: Assessoria de Imprensa Unit)

A professora do curso de Psicologia da Unit e doutora em Saúde e Ambiente, Jamile Teles, explica o motivo. “A violência doméstica é um fenômeno complexo que envolve relações de poder, diferenças culturais, comportamentais e fatores psicológicos. A Organização Mundial da Saúde define violência como o uso de força física ou poder, em ameaça ou na prática, contra si próprio, outra pessoa ou contra um grupo ou comunidade de forma intencional e excessiva a fim de ameaçar ou coagir, provocando-lhe danos físicos, emocionais, psicológicos ou em casos mais graves conduzindo-o a morte”, explica. 


Jamile pontua que a violência doméstica ocorre geralmente com os grupos vulneráveis:  mulheres, crianças e, também, pessoas idosas. “Com a finalidade de proporcionar maior visibilidade à violência contra os idosos, foi instituído o Junho Violeta, a fim de combater e erradicar a violência contra a pessoa idosa, mas também, reconhecer esse grupo enquanto sujeitos com direitos, além de divulgar informações que ajudam na conscientização desse problema de saúde pública”, esclarece. 


As características mais comuns da violência contra o idoso envolvem abusos psicológicos (palavras que rebaixem a autoestima a apelidos humilhantes), abusos financeiros (usar o dinheiro de aposentadoria ou benefício do idoso para outros fins), negligência (não levar para acompanhamento de profissionais de saúde bem como não auxiliar nos cuidados com a higiene), além dos abusos físicos e sexuais. 


Junho Violeta
É importante relatar o ato de violência contra os idosos, seja físico, psicológico, moral, patrimonial ou sexual e para denunciar, basta discar 100 ou 190, serviço que funciona 24 horas e as ligações são gratuitas. 


Considerar os idosos como verdadeiros companheiros é fundamental para a saúde mental. “É importante acolher o idoso com diálogo e afeto para que ele possa se sentir protegido e assim consiga, inclusive, ter estratégias de enfrentamento para lidar quando situações de violência surgirem”, explica Jamile Teles. 


[[JPEG-60101-69452-E-E]]Quanto aos direitos dos idosos que são garantidos pela Constituição Federal, no artigo 230, a advogada e professora da instituição Rita Menezes, explica que é dever da sociedade ampará-los.


“A família, a sociedade e o Estado têm o dever ainda de assegurar a participação da pessoa idosa na comunidade, defendendo sua dignidade e bem-estar e garantindo-lhe o direito à vida. A responsabilidade pelo idoso é de seus parentes e a prevenção se dá com o acompanhamento (de familiares ou cuidadores), que ao identificar qualquer sinal de violência, deve denunciar”, explica Rita Menezes.


PAIMI
O Programa de Assistência Integral à Melhor Idade – PAIMI – da Unit promove ações que revigoram e dão razões para o pessoal da terceira idade seguir em busca de novas experiências. Criado há mais de duas décadas, o objetivo do programa é ser um antídoto contra a depressão.


Com a pandemia, as atividades presenciais foram suspensas e por meio da tecnologia, os encontros continuam acontecendo por meio do ambiente virtual. “Nesse momento, estamos realizando alguns exercícios de memória e trocamos receitas culinárias, rememorando um pouco das nossas tarefas lúdicas” explica a coordenadora do PAIMI, professora Zulnara Mota.


O PAIMI é um programa que permite notoriedade para o idoso poder criar e vivenciar atividades de cultura, saúde e lazer, elevando sua autoestima.


Coordenadora do PAIMI, professora Zulnara Mota (Foto: Assessoria de Imprensa Unit)

Coordenadora do PAIMI, professora Zulnara Mota (Foto: Assessoria de Imprensa Unit)

Matérias em destaque

Click Sergipe - O mundo num só Click

Apresentação