14 de janeiro de 2020
POR: SES/SE
Fonte: SES/SE
Em: 14/01/2020 às 15h56

Especialista chama atenção para cuidados com o uso das mamadeiras e chupetas


Especialista chama atenção para cuidados com o uso das mamadeiras e chupetas (Foto: SES/SE)

Especialista chama atenção para cuidados com o uso das mamadeiras e chupetas (Foto: SES/SE)

Mamadeiras e chupetas sempre foram os preferidos das crianças, mas essa tradição pode acarretar o desmame precoce, como também aumentar o risco de contaminação ocasionando doenças. Além de provocar alterações orofaciais, atingindo a posição dos dentes, podem causar problemas na fala. Quem explica é a Fonoaudióloga da Maternidade Nossa Senhora de Lourdes (MNSL), Yannine Nery do Nascimento.


Ela esclarece que o uso de bicos artificiais leva a um fenômeno chamado de “confusão de bicos” onde o bebê pode começar a sugar de forma errada o seio materno, já que as formas de sugar o peito, chupeta, chucas e bicos intermediários são diferentes. “É importante as pessoas compreenderem que o uso de chupetas e bicos aumentam o risco de contaminação quando há má higienização”, alertou a especialista.


Yannine observou que a sucção de mamadeira e chupeta na fase da amamentação leva o bebê a fazer menos esforço, pois é mais simples e fácil sugar chupeta ou chuça. “Isso pode acarretar uma hipotonia da musculatura orofacial levando a consequências durante a fase de desenvolvimento da criança”, disse a fonoaudióloga.


Risco
Ela atentou, também, que devido a alterações na formação e desenvolvimento dos músculos e ossos da face e da boca, o uso de bicos artificiais poderá afetar no desenvolvimento da fala no que diz respeito à pronúncia correta dos sons, mastigação de uma forma incorreta e alteração na maneira de respirar passando o bebê a respirar pela boca ao invés do nariz.


Outro problema é chupar dedo. As crianças com esse costume podem sofrer as mesmas alterações provocadas pelas chupetas e chucas, principalmente se o hábito for frequente e intenso. O ideal segundo Yannine é evitar o uso de mamadeiras e chupetas e evitar hábitos errados.


Aleitamento
“O correto é manter o aleitamento materno até os seis meses de vida do bebê, bem como favorecer um adequado desenvolvimento orofacial. No caso de ser extremamente necessária, a mamadeira poderá ser substituída por copinho de transição”, orientou a especialista.

Matérias em destaque

Click Sergipe - O mundo num só Click

Apresentação