15 de agosto de 2019
POR: SES/SE
Fonte: SES/SE
Em: 14/08/2019 às 00h00
Atualizada: 14/08/2019 às 14h03

É preciso higienizar a cavidade bucal do bebê após a amamentação


É preciso higienizar a cavidade bucal do bebê após a amamentação (Foto: SES/SE)

É preciso higienizar a cavidade bucal do bebê após a amamentação (Foto: SES/SE)

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) orienta que os cuidados com a saúde bucal do bebê começam no início da gestação, no primeiro trimestre da fase intrauterina, e após o nascimento é indispensável o contato direto com o Cirurgião-Dentista que acompanhará cada estágio do desenvolvimento da criança a fim de orientar a mãe, ou responsável, acerca dos cuidados básicos, limpeza da boca e avaliação de riscos, garantindo, assim, uma saúde bucal satisfatória.


O coordenador dos Centros de Especialidades Odontológicas Estaduais da Fundação Estadual de Saúde (FUNESA), Erik Vinícius Barros Guedes, informa que boa higiene bucal do bebê está atrelada à saúde dentária da própria mãe e as medidas preventivas e intraorais são indispensáveis, como também as visitas de rotina com o odontopediatra a cada seis meses nos primeiros cinco anos de vida.


Todo o cuidado é pouco e a prevenção sempre é a melhor opção para evitar que adoeçam. “A ingestão de suplementação alimentar com açúcar, a não higienização da cavidade bucal após a amamentação com soro fisiológico com gaze, deixar o bebê cair no sono durante a amamentação ou com uma mamadeira em sua boca, compartilhamento de utensílios como copos e colheres, são alguns erros comuns cometidos nessa fase. Medidas como a correta higienização da boca do bebê e os cuidados com a alimentação são fatores primordiais que precisam ser observados”, comentou o coordenador.


Os primeiros dentinhos
O nascimento dos primeiros dentes, conhecidos como dentes de leite, é bastante incômodo para o bebê e costuma causar irritação, sensibilidade nas gengivas, salivação abundante, coceira, inchaço e diminuição do sono. É muito comum, ainda, a associação da febre com a irrupção dentária, a chamada febre do dente, mas não há comprovação de que isso seja verdade. A febre pode, inclusive, mascarar infecções que precisam ser investigadas já que, nesta fase, é comum que levem à boca objetos que podem estar contaminados por micro-organismos.


“É importante, após o aparecimento do primeiro dentinho decíduo (de leite), conforme recomenda a Associação Brasileira de Odontopediatria, o uso do creme dental fluoretado, em quantidade ideal para cada idade”, reforçou Erik.

Matérias em destaque

Click Sergipe - O mundo num só Click

Apresentação