28 de junho de 2019
POR: SES/SE
Fonte: SES/SE
Em: 28/06/2019 às 00h00

Profissionais alertam sobre perigos causados pelos fogos de artifício


Profissionais alertam sobre perigos causados pelos fogos de artifício (Foto: SES/SE)

Profissionais alertam sobre perigos causados pelos fogos de artifício (Foto: SES/SE)

O manuseio inadequado de fogos de artifício leva anualmente centenas de pacientes a se internarem no Hospital de Urgência de Sergipe (Huse), unidade gerenciada pela Secretaria de Estado da Saúde (SES). Durante o período das festas juninas, o fluxo de internações por vítimas de queimaduras aumenta, pois a brincadeira pode causar lesões graves com lacerações e cortes, amputações de membros, lesões de córneas ou perda da visão, além de problemas auditivos. Por isso, especialistas alertam para os cuidados na hora da festa.


A referência técnica da Cirurgia Plástica do Huse, Moema Santana, conta que a face, as mãos e braços são as regiões mais atingidas do corpo pelos fogos de artifício e que o ideal é seguir as recomendações dos fabricantes e se proteger. “O ideal é não soltar fogos, principalmente aqueles com alto teor explosivo, mas, se for comprar, prefira lojas credenciadas e vistoriadas pelo corpo de bombeiros, seguindo as recomendações dos fabricantes. É importante não vender, nem oferecer fogos de artifício a menor de idade e que os pais fiscalizem a brincadeira das crianças durante os festejos e explicar sobre os riscos dos fogos”, disse a médica.


Outra questão pouco debatida pela sociedade é a respeito do aumento nos relatos de fuga, acidentes graves e fatais de animais. Ao soltar fogos com alto teor explosivo, os animais entram em desespero e se assustam com o barulho. A oficial administrativa Margareth Lima, relata que o seu bichinho de estimação se esconde e treme muito com o barulho dos fogos.


“Na tentativa de escapar do barulho o meu cachorrinho procura se esconder embaixo da cama ou então fica assustado e latindo dentro de casa. Ele se treme muito e tento acalmá-lo nos meus braços ou trancando ele no quarto para abafar o barulho. Mas sofro muito com os animais de rua, muitos são atropelados tentando escapar dos fogos ou então se machucam grave na hora do desespero. As pessoas devem se atentar para esses casos também e colaborar respeitando o direito do próximo”, declarou.


O som forte produzido durante a queima dos fogos também pode causar danos irreparáveis ao sistema auditivo dos indivíduos, como perda da audição severa,uni ou bilateral, temporária ou nos casos mais graves definitiva ou irreversível. A atenção com bebês e crianças pequenas também deve ser levada em consideração. O ruído, principalmente o dos rojões, pode atingir mais de 120 decibéis, mesmo a uma distância superior a três metros de onde o artefato está sendo aceso.


De acordo com o coordenador do pronto Socorro do Huse, Tony Nino, já existem diversas opções de fogos que não emitem som ou alguma proibição deles com barulho maior que 85 decibéis. “É muito mais bonito apreciar o brilho e as cores dos fogos do que ouvir o barulho ensurdecedor que muitos provocam. Isso evitaria a chegada de alguns pacientes com zumbido e dores auditivas por causa do barulho dos fogos”, explicou.

Matérias em destaque

Click Sergipe - O mundo num só Click

Apresentação