Aracaju (SE), 27 de novembro de 2020
POR: Carla Passos
Fonte: Carla Passos
Em: 28/09/2020 às 00h00
Pub.: 28 de setembro de 2020

Provence, uma viagem dos sonhos :: Por Carla Passos


A Provence é um dos cantinhos mais magnéticos da Europa desde tempos imemoriais.


Aix en Provence é conhecida como a "cidade das mil fontes" - Foto: Carla Passos

Aix en Provence é conhecida como a "cidade das mil fontes" - Foto: Carla Passos


Uma casa charmosa, pão fresco para um longo café-da-manhã, passeios de bicicleta, flores, umas taças de vinho e incansáveis experiências gastronômicas. Era assim que eu imaginava a vida na Provence, no Sul da França. Como adoro o interior da Europa, resolvi conhecer a região. Infelizmente minhas férias foram no inverno e não deu para conhecer de perto os campos de lavanda, o que é possível fazer no verão.


O Sul da França tem cenários magníficos que em uma simples viagem você não vai, e nem deve, conhecer tudo. Em um intervalo de cinco dias entre a Riviera Francesa e Barcelona, nós tínhamos que escolher que cidades visitar. Optei pelas mais tradicionais: Avignion e Aix en Provence. Também fomos a Marselha para uma festa de réveillon.


A Provence é famosa pelos campos de lavanda, mas só é possível visitá-los durante 6 semanas por ano, durante o verão - Foto: Carla Passos

A Provence é famosa pelos campos de lavanda, mas só é possível visitá-los durante 6 semanas por ano, durante o verão - Foto: Carla Passos


Então, pesquise! Nós queríamos fazer muitas rotas de carro entre as cidades para conhecer as vilas das redondezas e vinhedos. No entanto, como seguiríamos viagem para Barcelona, devolver o carro na capital da Catalunha encareceria bastante o preço do aluguel. Então decidimos nos locomover de trem e caminhar muito nas cidades onde estávamos. E claro, ter aquele tempinho para sentar em um restaurante, um café, ou até no banco da praça, para assistir ao movimento e curtir aquele cenário com uma taça de rosé ou vinho tinto na mão. 


Escolhemos Aix como base para ficar na região por ser central. Chegamos à noite na cidade e no dia seguinte fomos conhecer Avignon, a cidade mais turística da região. Sua principal atração é o Palácio dos Papas, que junto com a Catedral de Notre Dame e a ponte D’Avignion são considerados patrimônios mundiais da UNESCO. Eu AMEI Avignon e se pudesse voltar no tempo, escolheria ela como base. 


Reservamos algumas horas para a visita ao Palácio dos Papas, que virou residência dos Papas no ano de 1309, quando o Papa Clemente V resolveu abandonar Roma. O legado histórico de Avignon pode ser visto nessa visita. Você recebe um tablet e um fone de ouvido para conhecer a história de cada cômodo do palácio e os hábitos dos papas. A tecnologia permite que com a tela possamos ver como era a decoração dos ambientes na época.


Palácio dos Papas, de Avignon, que virou residência dos Papas no ano de 1309 - Foto: Carla Passos

Palácio dos Papas, de Avignon, que virou residência dos Papas no ano de 1309 - Foto: Carla Passos


Depois da visita, sentamos em um restaurante no centro da cidade amuralhada para um almoço tardio. O ambiente estava tão agradável perdemos a hora e consequentemente o último ônibus para a Aix. E tivemos que encontrar um hostel na cidade. Ainda bem que estávamos na baixa temporada. Voltamos na manhã seguinte para Aix.


O segundo dia foi dedicado a Aix-en-Provence. Caminhamos despretensiosamente pelas ruas. Nos perdemos entre as sinuosas ruelas medievais do centro histórico percorrendo caminhos diferentes que sempre revelam belas surpresas. 


Se perca pelas ruelas medievais do centro histórico de Aix - Foto: Carla Passos

Se perca pelas ruelas medievais do centro histórico de Aix - Foto: Carla Passos


O destaque é a Cours Mirabeau, considerada uma das avenidas mais bonitas do mundo, é a principal artéria da cidade desde o século XVII quando foi construída e que reserva de um lado lojas e cafés envidraçados para que se possa admirar o movimento. Do outro estão as mansões do século 17, moradas de nobres e de juristas.


Na Cours Mirabeau tem ainda várias referências a Cézanne, que pintou diversas obras famosas retratando a região. Lá está a chapelaria do pai do pintor, o apartamento da mãe dele e o famoso Café des Deux Garçons, o preferido do pintor. O Circuito de Cezane é assinalado com várias plaquinhas em bronze com a letra “C”. No centro de turismo da cidade você pode buscar um mapa para seguir a rota até o museu  Granet, onde há nove telas suas.


Não foi só Cezane que se inspirou na região. O holandês Van Gogh escreveu parte de sua história (e pintou muitos quadros) entre Arles e St-Rémy-de-Provence; Picasso viveu seus últimos anos num belo château aos pés da montanha Ste-Victoire, na vilinha de Vauvenarges. Albert Camus, escritor e filósofo argelino naturalizado francês, escolheu a pequenina Lourmarin como sua casa. Já o inglês Peter Mayle escreveu o best-seller Um Ano na Provence, indispensável para quem vai se aventurar por estas terras.


Aix Cathedral, que mistura elementos e estilos diferentes (romanesco, góticos é neogóticos) - Foto: Carla Passos

Aix Cathedral, que mistura elementos e estilos diferentes (romanesco, góticos é neogóticos) - Foto: Carla Passos


A obra “Um bom ano” de Peter Mayle foi para as telas de cinema em um filme dirigido  por Ridley Scott. “A Provence não mudou muito nos últimos 20 anos. Há mais bons restaurantes e lugares agradáveis para ficar, e os vinhos locais melhoraram enormemente. Algo que não mudou, felizmente, foi o sabor e as peculiaridades que compõem a personalidade da Provence, e que continuam a me fascinar”, disse Ridley poucos anos antes de falecer, em 2018. 


Reveillon
Eu estava pensando em curtir o réveillon em um restaurante típico provençal, mas minha amiga, animada como sempre, queria ir a uma festa. Como estávamos a 33 km de Marselha, esse era o melhor lugar para o tipo de evento, afinal é a capital da Provence e a segunda maior cidade da França depois de Paris. Pegamos um ônibus para a cidade e depois um uber e seguimos a festa no Le Rooftop, na beira do mar Mediterrâneo, que nos surpreendeu. 


A entrada custou 10 euros, bem diferente dos preços de festas de reveillon no Brasil. A dificuldade foi apenas ficar na fila de entrada por mais de uma hora congelando a uma temperatura de -3, potencializada pelo vento. O lado bom é que na fila fizemos amizade com umas francesas. Curtimos uma virada típica francesa com músicas famosas no país mas que a gente não conhecia. No entanto, a hora da virada foi ao som de Lady Marmelade, da trilha sonora do filme Moulin Rouge. Voltamos de madrugada para Aix.


Dicas:
- Se estiver de transporte público, se hospede no centro da cidade para ficar perto das atrações e das estações de ônibus e trem, o que facilita o acesso a outras cidades. De carro você tem mais liberdade para ficar em outras áreas da cidade.


- Assim como as passagens de avião, quanto antes você comprar as de trem, vai conseguir preços mais baixos, mas não é necessário para viagens entre cidades vizinhas. Usamos o aplicativo Rail Europe, que faz uma busca por melhores preços entre as companhias. 


- Vantagens dos Trem na Europa: Evitar o aeroporto. Não ter que chegar com pelo menos duas horas de antecedência. Basta chegar 10minutinhos antes da partida e embarcar. Além do que as estações de trem geralmente são no centro das cidades.


- Para distâncias curtas, ônibus costumam ser uma opção mais barata. Use o aplicativo FlixBus para buscas.

Matérias em destaque

Click Sergipe - O mundo num só Click

Apresentação