Aracaju (SE), 08 de agosto de 2020
POR: Luiz Filipe Macêdo
Fonte: Luiz Filipe Macêdo
Em: 24/06/2020 às 21h04
Pub.: 25 de junho de 2020

O Investidor Seguro :: Por Luiz Filipe Macêdo


Por Luiz Filipe Macêdo


Imagem: casalinvestidor.com.br

Imagem: casalinvestidor.com.br


Todo investidor ao abrir uma conta em um banco ou corretora deverá preencher o teste de “suitability”. Esse teste irá indicar o perfil de investidor baseado nas respostas fornecidas pelo cliente. É muito importante que o teste de “suitability” seja respondido com calma e atenção, pois é ele que vai direcionar os tipos de produtos financeiros para cada perfil. Existem três tipos de perfis: conservador, moderado e agressivo. Nesse artigo falaremos do perfil conservador.


O investidor conservador é aquele que busca segurança e previsibilidade ao realizar as suas aplicações. Esse investidor é também conhecido como o poupador, visto que a grande maioria dos conservadores ainda aplica boa parte, se não todo, o seu patrimônio na caderneta de poupança.


A poupança ainda é a aplicação financeira mais popular no nosso país. Mas é preciso tomar muito cuidado ao aplicar nela, já que desde 2012 ela teve sua fórmula de remuneração alterada, deixando de ser uma boa opção de investimento. Hoje, com a taxa Selic a 2,25% a.a., a poupança está rendendo cerca de 1,57% a.a.. Isso implica em uma possibilidade de perda financeira ao longo do tempo, pois a inflação irá corroer o poder de compra, sendo provavelmente superior à rentabilidade da poupança. Mas ela ainda tem uma função, como já foi dito em artigo anterior, que é de formar uma reserva de emergência.


Conforme na tabela a seguir, o cenário atual de juros não é favorável ao poupador “raiz”. É necessário que ele busque outras aplicações para rentabilizar o seu patrimônio, uma vez que aplicar tudo na poupança não irá nem conservá-lo.


Imagem: blog.rico.com.vc

Imagem: blog.rico.com.vc


O mercado financeiro possui uma gama diversa de produtos para este perfil. É possível aplicar em certificados de depósitos bancários, títulos do governo federal, letras de câmbio, crédito imobiliário e do agronegócio, fundos de renda fixa com baixa taxa de administração, fundos multimercado de baixa volatilidade e até mesmo debêntures.


Antes de aplicar o seu dinheiro em qualquer tipo de produto, é necessário conhecê-lo e conhecer o emissor. Não existe aplicação sem risco, nem mesmo a nossa querida poupança. Informação é a base da boa diversificação de ativos.


Confira todos os artigos AQUI


Luiz Filipe F. M. Macêdo
Assessor de Investimentos
Contato: https://linktr.ee/lfmacedoaai

Matérias em destaque

Click Sergipe - O mundo num só Click

Apresentação