Aracaju (SE), 08 de julho de 2020
POR: José Lima Santana
Fonte: José Lima Santana
Em: 30/05/2020 às 11h14
Pub.: 01 de junho de 2020

"A MOSCA CAI"! :: Por José Lima Santana


Por José Lima Santana*


José Lima Santana (Foto de arquivo: Click Sergipe)

José Lima Santana (Foto de arquivo: Click Sergipe)

Quando eu era menino de calças curtas, lá pelos meus seis, sete anos, não entendia porque o velho Gimio, Gemiliano Correia Lima, não morava com a mulher, Dona Joventina, que residia perto da nossa casa, numa casinha recuada, que ficava num pequeno sítio. Gimio e Joventina formavam o primeiro casal separado que eu conheci. E eu já os conheci bem velhinhos. Os dois filhos do casal, Derno de Gimio e Pedrinho de Gimio, a quem papai, em 1962, comprou a casa no local onde eu moro até hoje, sustentavam o pai e a mãe.


O que eu não sabia, naquela época, era que uma das minhas tias paternas, que morava com a minha avó, era separada do marido. Tia Nazaré, adorava escrever cartas e guardava as cartas recebidas dos parentes e das amigas em várias caixas de sapatos. Eu adorava lê-las, quando já era bastante letrado para isso. E ela gostava que eu lesse as cartas que ela ia enviar às amigas e primas, estas morando no Rio de Janeiro, filhas do meu tio-avô João Soares Santana, “seu” Dadá do Queijo. Todas as cartas da minha tia Nazaré começavam assim: “Que hora feliz, quando eu lanço a mão nesta caneta para dar as minhas notícias e saber das suas”. Caneta-tinteiro “Parker”. Era sempre assim. Não mudava nunca. 


Tia Nazaré era um doce de tia e de pessoa. Alegre como só ela sabia ser. Divertida. Vivia a cantarolar as músicas de  ngela Maria. E costumava pedir músicas, nos programas da Rádio Cultura, que ela escutava. E não perdia as novelas radiofônicas. Ela escrevia para a Rádio uma vez por semana e oferecia as músicas aos parentes e amigas, com especial destaque para Dona Lindaura, que trabalhava numa escola em Aracaju, e era a melhor amiga da minha tia, que passava dias na casa dela. Eu tinha vontade de conhecê-la, porque a letra dela era belíssima, mas não tive a oportunidade.


Pois bem. Mais tarde, já mais taludo, lá pelos dez anos, eu tomei conhecimento que tia Nazaré fora casada com um sujeito de Siriri. O namoro, que não foi bem visto pela família, nasceu quando minha tia esteve em Siriri, numa festa, na casa de outro meu tio-avô, José Messias Soares Santana. O chamego começou a partir dali. Em poucos meses, deu-se o casamento religioso. Não o civil. 


Abro um parêntese para dizer que tio José Messias foi o revolucionário da família. Sobre isso, eu já escrevi um artigo, publicado no Jornal da Cidade, em 27/01/2013, página B-11, com o título de “Um revoltoso na família”. Deixo, porém, um brevíssimo relato, inclusive, complementando aquele artigo. Esse meu ascendente juntou-se ao coronel Vicente Ferreira da Silva Porto (Sinhô Porto), na famosa “Coluna Dorense”, em 1906, para ir a Aracaju e lutar ao lado de Fausto Cardoso. O acadêmico Manoel Cabral Machado e a historiadora Terezinha Oliva muito bem retratam sobre o movimento de Sinhô Porto, naquele distante 1906. Tio José Messias, após a “Coluna” regressar de Maruim, onde os seus membros pegariam o saveiro para Aracaju, pois ali receberam a informação da morte do tribuno, escondeu-se por uns dias, a fim de fugir às perseguições do governo de Guilherme de Campos, e demandou para a Bahia. Tempos depois, regressou e fixou residência em Siriri, cujo nome primitivo era Freguesia de Jesus Maria e José de São Gonçalo do Pé do Banco, ao passo que Dores outrora chamava-se Enforcados. José Messias ali constituiu família e morreria, certo dia, quando ralava o milho para o cuscuz. Um infarto o liquidou. Aliás, esse é o mal que mais mata na nossa família.


Voltando a tia Nazaré, o casamento teve a assistência do Cônego Miguel Monteiro Barbosa, natural de Maruim, mas com família em Laranjeiras (a família Monteiro, de Ezequiel e Alceu Monteiro), e que, como reitor do Seminário de Aracaju, acolheu um seminarista que saiu do Seminário de Maceió, porque por lá disseram que ele não tinha vocação para ser padre: Avelar Brandão Vilela. E porque não tinha vocação para ser padre, chegou a Cardeal. Se tivesse, chegaria a Papa. O Cônego Miguel ainda foi prefeito de Dores e, antes, deputado à Constituinte estadual de 1935. 


Mais uma vez, volto a tia Nazaré. Poucas semanas depois do ato religioso, ela descobriu que o marido tinha, como ela dizia, uma quenga, na Rua do Capuco, em Siriri. Houve um bate-boca. Ele partiu para dar umas tapas em minha tia, que o escorou com um espeto de assar carne-de-sol, especialidade da nossa família (meu pai e meus dois tios eram marchantes, além de outros parentes). Acalmados os ânimos, meu pai e meus tios, avisados do ocorrido, demandaram a cavalo para Siriri, apenas para avisar ao tal cunhado que se ele se atrevesse a tocar um dedo na irmã deles, morreria, mesmo que se metesse nas profundezas dos infernos. A bem da verdade, ele nunca mais ousou. Todavia, o casamento foi desmoronando, a ponto de minha tia não dirigir mais a palavra ao marido.


Ele era barbeiro e a barbearia era anexa à casa residencial. Quando tia Nazaré preparava a comida e a colocava à mesa, para não dirigir a palavra a Luiz (esse era o nome do sujeito), ela dizia em alto e bom som: “A mosca cai”!


Poucos meses depois, nos anos 50, meu pai foi buscar a irmã, que morreria na companhia de minha avó Zulmira e de minha tia Maria das Graças, a 8 de março de 1972. 


Ainda hoje, a minha mãe se refere a essa frase emblemática de tia Nazaré: “A mosca cai”! Isso ocorre quando eu demoro a ir à mesa, como no sábado, 16/05.


*Padre, advogado, professor da UFS, Membro da ASL, da ASLJ, da ASE, da ADL e do IHGSE

Matérias em destaque

Click Sergipe - O mundo num só Click

Apresentação