05 de agosto de 2019
POR: Breno Barros
Fonte: Rede do Esporte
Em: 04/08/2019 às 17h31

Caio Bonfim conquista prata e Érica fica com bronze na marcha atlética


Brasileira liderou praticamente toda a prova feminina, mas foi punida e viu o ouro escapar.


Caio Bonfim conquista prata e Érica fica com bronze na marcha atlética (Foto: Abelardo Mendes Jr./ Rede do Esporte)

Caio Bonfim conquista prata e Érica fica com bronze na marcha atlética (Foto: Abelardo Mendes Jr./ Rede do Esporte)


Quando Caio Bonfim cruzou a linha de chegada da prova da marcha atlética de 20km dos Jogos Pan-Americanos de Lima, no Peru, ele sabia que a medalha de prata deste domingo (04.08) tinha começado a ser desenhada há dois anos, quando, nas mesmas ruas do bairro de Miraflores, ele não completou a prova no Pan da modalidade, saiu de ambulância e foi hospitalizado. Em 2019, o brasiliense voltou ao mesmo cenário para conquistar o pódio para o Brasil. Na prova feminina, Érica Sena levou a medalha de bronze


"Foi nessa mesma rua que eu saí de ambulância e depois fui hospitalizado durante o Campeonato Pan-Americano. Sabia que Deus iria me dar a oportunidade de voltar aqui. Sabia que algo especial estava por vir e foi o que me manteve na hora da prova. Eu não cheguei aqui à toa, Deus preparou este dia para mim", comemorou o atleta.


Caio Bonfim conquistou a medalha de prata com o tempo de 1h21min57. O título dos Jogos ficou com Daniel Brian do Equador, com 1h21min51. O bronze foi para Alejandro Jose, da Guatemala, com 1h21min57. O também brasileiro Moacir Zimmermann ficou em 12° (1h33min14).


"As provas pan-americanas são duras na marcha atlética, porque a modalidade é forte nas Américas. Desde 2003 os medalhistas em Jogos Pan-Americanos sobem ao pódio nos mundiais. A gente sabia que seria uma prova difícil, a arbitragem nova, por isso fiz uma prova estratégica, não pensando em marca, mas na marcha", analisou Caio Bonfim.


Durante o circuito de 1km montado em frente ao prédio da prefeitura municipal de Lima, Caio enfrentou o asfalto molhado e escorregadio, o que dificultou nas curvas. "Graças a Deus consegui me manter no pelotão, com muita gente. Quando só tinha três atletas, eu sabia que poderia conquistar uma medalha e administrei", revelou. "Eu poderia arriscar, mas tinha uma falta no quadro e existe a interpretação subjetiva que é a marcha. Sai para a última volta em primeiro, o equatoriano passou e achei melhor não arriscar, porque era uma subida e às vezes a gente quer brigar pelo ouro e fica sem nada", completou.


Bronze no feminino
A brasileira Érica Sena conquistou a medalha de bronze na prova de 20km da marcha atlética nos Jogos Pan-Americanos, com o tempo de 1h30min34s. A medalha de ouro foi para a colombiana Sandra Lorena, com 1h28min03s, e a prata ficou com a peruana Gabriela Kimber, 1h29min.


Érica Sena fui punida e perdeu a chance de levar o ouro (Foto: Abelardo Mendes Jr./ Rede do Esporte)

Érica Sena fui punida e perdeu a chance de levar o ouro (Foto: Abelardo Mendes Jr./ Rede do Esporte)


A pernambucana de 34 anos cruzou a linha de chegada com o sentimento de injustiça. Érica liderou a prova durante a maior parte do tempo, levou punições dos árbitros e teve que ficar dois minutos parada no pit lane, vendo o ouro escapar.


"Parar por dois minutos desanima completamente. Tira todas as possibilidades de brigar pelo ouro. E o problema de parar no pit lane é que, geralmente, os juízes te desclassificam quando você volta para a prova. Eu achava realmente que eles não iriam deixar eu terminar a prova", revelou Érica Sena.


Segundo a marchadora, todos os árbitros, que ficam espalhados pelo percurso de 1km, levantaram a placa de advertência para ela por considerar que a brasileira estava tirando os dois pés do chão, o que é considerado correr. "Hoje foi um dia muito difícil. Eu não tinha mais nem ânimo para voltar. Meu objetivo era o ouro, não era a prata e nem o bronze. Eu estava tão chateada no pit lane e decidida a deixar a prova, que nem vi as adversárias passarem" disse.


Na última edição de Toronto 2015, Érica conquistou a medalha de prata. Em Lima, o foco era o ouro. "O meu objetivo aqui era ganhar o ouro. Tenho o melhor tempo entre as minhas adversárias. Era esperado ganhar o ouro. Entretanto, a marcha é uma prova muito injusta, não basta o atleta estar bem fisicamente. As avaliações dos árbitros são subjetivas e no mundial eu nunca tive problema", disse a atleta.


"Em todas as grandes competições eu sempre ganho delas, tenho experiência, já conheço elas e conheço as táticas que elas usam. Era só fazer a tática de sempre", completou.


História
Na história da modalidade em Jogos Pan-Americanos, o Brasil conta com uma medalha de prata e dois bronzes conquistados. A prata foi faturada por Érica em Toronto. Os bronzes foram conquistados por Caio Bonfim em Toronto 2015 e Marcelo Djama em Havana 1991.

Matérias em destaque

Click Sergipe - O mundo num só Click

Apresentação