24 de fevereiro de 2020
POR: Unit
Fonte: Unit
Em: 21/02/2020 às 15h00

Farmacêuticos passam a atuar na dispensação de produtos à base de Cannabis para fins medicinais


A regulamentação foi aprovada ontem, 20, durante Reunião Plenária do Conselho Federal de Farmácia.


Nathalya Maria Vilela Moura a caminho do mestrado em Ribeirão Preto (Foto: Unit)

Nathalya Maria Vilela Moura a caminho do mestrado em Ribeirão Preto (Foto: Unit)


Após a aprovação da resolução da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), no final do ano passado, que libera a venda de produtos à base de Cannabis em farmácias comunitárias, entrou em vigor ontem, 20, a resolução que regulamenta a atuação do farmacêutico em medicamentos e produtos à base de canabidiol, composto químico encontrado na planta Cannabis sativa, popularmente conhecida como maconha.


A proposta, que foi aprovada por unanimidade, foi apresentada na 491º Reunião Plenária do Conselho Federal de Farmácia pela farmacêutica Margarete Akemi Kishi e demais membros do Grupo de Trabalho sobre o uso Medicinal da Cannabis Sativa.


“De acordo com a portaria 344/98, já é prevista a atividade de venda de substâncias e medicamentos sujeitos a controle especial aos farmacêuticos que trabalham na dispensação de medicamentos em farmácias comunitárias. Agora, será acrescentado neste rol produtos à base de Cannabis para uso de fins medicinais”, declara a farmacêutica Dra. Juliana Dantas, professora e coordenadora do curso de farmácia da Universidade Tiradentes.


Os produtos serão vendidos com a retenção de receituário tipo A, ainda de acordo com a portaria de nº 344/98 e também serão listados no Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados – SNGPC –, definido pela ANVISA. “O farmacêutico terá que fazer o lançamento de todas as compras e vendas de medicamentos de controle especial”, salienta a docente.  


A resolução estabelece os requisitos necessários à atuação do farmacêutico na dispensação dos medicamentos e produtos de Cannabis, que deve ser feita, exclusivamente, por profissional farmacêutico. A resolução apresenta definições e regras de venda desses medicamentos e produtos e será publicada em breve.


“Será mais uma classe de produtos de controle especial que os profissionais terão que ter habilidades e conhecimentos para fazer a venda, de acordo com o que preconiza a legislação. O farmacêutico terá que estudar sobre as funções do Cannabis, os efeitos terapêuticos e orientar o paciente no momento da venda do medicamento. Não é apenas prestar a venda do medicamento com base no receituário”, ressalta a farmacêutica.


“O profissional tem que verificar inclusive se o receituário foi prescrito por um médico específico cuja recomendação é que sejam neurologistas. Além disso, orientar o paciente sobre o uso do medicamento, se a prescrição está definida e detalhada com relação a posologia, frequência e duração do tratamento pois é um produto que pode gerar efeitos colaterais. Por isso, o paciente tem que fazer uso de forma bem criteriosa e adequada”, acrescenta Juliana.


O produto à base de Cannabis tem sido bastante utilizado para tratamentos de esclerose múltipla e convulsões de difícil controle. A resolução, que foi determinada a venda desses produtos nas farmácias em território nacional, tem validade de três anos. Após esse período, haverá uma nova autorização.  


Com informações do Conselho Federal de Farmácia

Matérias em destaque

Click Sergipe - O mundo num só Click

Apresentação