22 de março de 2019
POR: Pedro Rafael Vilela
Fonte: Agência Brasil
Em: 21/03/2019 às 21h12

"Sem reforma da Previdência, Brasil vai parar até 2022", diz Jair Bolsonaro


Presidente participa de Cúpula Sul-Americana no Chile.


No Chile, o presidente Jair Bolsonaro faz transmissão ao vivo (Foto: Marcos Corrêa/ PR)

No Chile, o presidente Jair Bolsonaro faz transmissão ao vivo (Foto: Marcos Corrêa/ PR)


O presidente Jair Bolsonaro, que está no Chile para participar da Cúpula Presidencial de Integração Sul-americana, afirmou hoje (21) que a reforma da Previdência é fundamental para equalizar as contas públicas do Brasil e, sem ela, o país poderá entrar em colapso até 2022. A declaração foi dada durante uma transmissão, ao vivo, de sua página oficial no Facebook. 


"Eu, no fundo, não gostaria de fazer a reforma da Previdência, mas, se não fizesse, estaria agindo de forma irresponsável e, em 2021 ou 2022, o Brasil vai parar se não fizer essa reforma, infelizmente é isso", afirmou. Durante a transmissão, que começou às 19h e durou pouco mais de 30 minutos, o presidente estava acompanhado dos ministros Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional), Wagner Rosário (Controladoria-Geral da União), além do porta-voz da Presidência da República, Otávio Rêgo e Barros, e do deputado federal Hélio Lopes (PSL-RJ), que integra a comitiva. 


Bolsonaro disse que o país está "quebrado" e lembrou que os problemas se refletem também para estados e municípios. "Logicamente, vocês sabem que estamos quebrados, temos uma dívida interna de quase R$ 4 trilhões, pagamos de juros, por ano, o equivalente a um plano Marshall, aquele que reconstruiu a Europa após a Segunda Guerra Mundial. Temos um problema do inchaço de servidores em alguns locais. Tem mutos estados, muitos municípios que também têm problemas", apontou.


No final da transmissão, Augusto Heleno, ministro-chefe do GSI, fez um apelo ao Congresso Nacional e à imprensa em favor da reforma. "Eu gostaria de fazer um apelo patriótico aos parlamentares e, àquela parte da imprensa, que sempre criticou o toma lá dá cá, a troca de favores, que façam, a partir de agora, um exame de consciência", disse. Segundo ele, é preciso pôr fim ao modelo de troca de favores entre o Poder Executivo e o Parlamento que, segundo ele, tem vigorado historicamente no país. 


No Chile, o presidente Jair Bolsonaro faz transmissão ao vivo ao lado do porta-voz da Presidência, Rêgo Barros, do ministro Augusto Heleno (GSI), do deputado Hélio Bolsonaro e do ministro Wagner do Rosário (Transparência e CGU).
No Chile, o presidente Jair Bolsonaro faz transmissão ao vivo  - Marcos Corrêa/PR
"Nós temos obrigação de mudar isso, a imprensa pode ajudar muito, precisa atuar patrioticamente, mostrando o que está acontecendo, para que essa troca de favores, esse toma lá dá cá não volte novamente. Tivemos uma renovação relevante no Congresso, vamos aproveitar e fazer uma reforma da Previdência, que é um grande passo para o Brasil", acrescentou. 


Reforma dos militares
Bolsonaro rebateu críticas de a reforma previdenciária para os militares, entregue ontem (20) no Congresso Nacional, ter sido apresentada junto com a reestruturação da carreira dos integrantes das Forças Armadas.


"Tem que levar em conta não só que foi apresentado agora, mas o que estava também apresentado pelo governo Fernando Henrique Cardoso, em 2000, uma Medida Provisória, atualmente a MP 2215, que retirou todos os direitos dos militares. Foi aprovada apenas a medida provisória dos militares, os demais ficaram de fora dela", enfatizou. 


A MP citada por Bolsonaro foi editada em 2001 pelo então presidente Fernando Henrique Cardoso, e revogou o auxílio-moradia pago a militares, além da retirada de outros benefícios da categoria, como promoção automática, licença especial e adicional de inatividade. A medida, por outro lado, criou uma nova gratificação, por localidade especial paga a militares que servem em regiões "inóspitas" do país. A MP nunca chegou a ser votada pelo Congresso Nacional, mas segue em vigor porque, na época, as medidas provisórias não perdiam a validade se não fossem votadas, como ocorre atualmente.  


O presidente da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ), deputado Felipe Francischini (PSL-PR), adiou nesta quinta-feira o anúncio do nome do relator da proposta de reforma da Previdência na comissão. Segundo o parlamentar, o nome será divulgado após o governo esclarecer a proposta dos militares e a reestruturação das carreiras das Forças Armadas. Líderes partidários haviam condicionado o início da análise da reforma ao envio do projeto dos militares, que chegou ontem.


O líder do partido do PSL, Delegado Waldir (GO), informou que pediu o adiamento da escolha do relator. "Só teremos um nome para a relatoria na CCJ quando o governo explicar a reforma da Previdência [dos militares]. E não sou eu que tenho que procurar o governo, eles é que precisam nos procurar", acrescentou.


O ministério da Economia, Paulo Guedes, irá à CCJ na próxima terça-feira (26) para falar sobre as reformas. 


*Colaborou Heloísa Cristaldo


Edição: Carolina Pimentel

Matérias em destaque

Click Sergipe - O mundo num só Click

Fale Conosco