12 de janeiro de 2018
POR: Secult/SE
Fonte: Secult/SE
Em: 12/01/2018 às 00h00

Festival "Um Banquinho, Uma Canção" define mais três finalistas


Na segunda noite de Festival, mais três artistas foram selecionados no Villa Botequim.


Os finalistas eleitos pelo corpo de jurados foram: Amora Valente, Danilo Duarte e Voodoo Cigano (Foto: Pritty Reis/Secult/SE)

Os finalistas eleitos pelo corpo de jurados foram: Amora Valente, Danilo Duarte e Voodoo Cigano (Foto: Pritty Reis/Secult/SE)


Toques refinados dos violões e vozes com requinte de beleza definiram a segunda noite da terceira edição do Festival de Música “Um Banquinho, Uma Canção”. Promovido pelo Governo de Sergipe, através da Secretaria de Estado da Cultura (Secult), o evento segue até o dia 01 de fevereiro, com mais duas eliminatórias e a final, que acontecerá no café do Palácio Museu Olímpio Campos.


A segunda eliminatória aconteceu nesta quinta-feira, 11, no Villa Botequim, localizado no Bairro Garcia. “A expectativa não poderia ser melhor. Música boa é sinônimo de casa cheia, e foi isso que aconteceu aqui no Villa Botequim esta noite. O festival favorece o músico que se apresenta, o cliente que consome e quer ouvir uma boa música e o restaurante que lucra com ambas as partes”, destacou o gerente da casa, Gilton Lima.


Seguindo a programação, mais três artistas foram selecionados dentre os seis que se apresentaram. Os finalistas eleitos pelo corpo de jurados foram: Amora Valente, Danilo Duarte e Voodoo Cigano. Amora Valente disse estar emocionada com sua primeira participação em festivais e ressalta que está animada para a final. “Hoje foi o resultado de todo um trabalho que montamos nesses últimos dias. Os acertos dos arranjos e dos acordes foram detalhados minimamente pensando primeiramente no público que é nosso combustível. Agradeço a oportunidade de ser selecionada”, evidenciou.


A voz e violão de Danilo Duarte fizeram com que ele também fosse classificado. “O que me chamou atenção no festival é que todos os ritmos são respeitados. Subiram no palco artistas de vários segmentos e todos foram aplaudidos pelo público. Isso torna o prêmio mais interessante”, ressaltou. Já Rodrigo Cunha, da Voodoo Cigano, contou que participou da edição, inclusive chegando a final. “O bom de participar outra vez é que já estamos mais preparados que a edição anterior. Colocamos elementos novos nas músicas sem tirar a essência do nosso grupo. O nosso segredo é nos divertir tocando e tirar um pouco esse foco da competitividade”, enfatizou.


O Secretário de Estado da Cultura, João Augusto Gama prestigiou o evento e afirmou a importância de fomentar festivais desse porte no estado. “O evento está em absoluto sucesso. Na primeira noite houve grandes apresentações e bom público, e hoje também contamos com um grande número de pessoas com a intenção de prestigiar os nossos artistas sergipanos. Acredito que esta terceira edição esteja sendo a de maior sucesso entre todas”, salientou.


O cantor e compositor Luiz Fontineli participou da primeira edição do Festival de Música “Um Banquinho, uma canção” como um dos artistas selecionados, e dessa vez esteve sentados nos bancos de jurados. “Confesso que prefiro estar no palco porque lá nós cantamos e jogamos a responsabilidade para os jurados. Já que dessa vez participo como jurado, estou sentindo na pele o quão é difícil julgar tanta gente boa que subiu nesse palco. Sinto-me bastante lisonjeado de ter sido convidado a escolher os próximos finalistas”, disse.


Próximas eliminatórias
A programação segue no dia 18 de janeiro, no Brother’s Club, e dia 25, no Gonzaga Bar e Petiscaria. Viabilizado com recursos do Fundo Estadual de Desenvolvimento Cultural e Artístico (Funcart) e aprovação do Conselho Estadual de Cultura, o Festival é um evento democrático que abriga vários estilos de música, incentivando a produção local e a formação de público. Todos os músicos foram selecionados via edital.


Cada participante apresenta três músicas, sendo uma de autor nacional, uma de autor sergipano e uma música inédita. A premiação em dinheiro, desta edição, varia de R$ 400,00 à R$ 5mil, além do prêmio de Melhor Música Inédita no valor de R$ 1,5mil. Confira o cronograma das apresentações para apoiar e torcer por seu músico preferido.


18 de janeiro – 19h
Brother’s Club – Aracaju
1 – Paulinho Araújo
2 – Sílvio Rocha
3 – Bruna Brandão
4 – Roger Kbelera
5 – Paulinho Só
6 – Bruna Ribeiro


25 de janeiro – 19h
Gonzaga Bar e Petiscaria – Aracaju
1 – Amanda Cunha
2 – Newton Brito
3 – Doca Furtado
4 – Sena
5 – Maria Cristina
6 – Aldemir Barros

Matérias em destaque

Click Sergipe - O mundo num só Click

Fale Conosco