12 de Setembro de 2017
POR: PMA
Fonte: PMA
Em: 12/09/2017 às 14h13

Alunas veem oportunidade de trabalho com curso de manicure e pedicure


Composta por maioria jovem, a sala/salão de beleza da unidade Jardim Esperança, da Fundação Municipal de Formação para o Trabalho (Fundat), ganhou, nesta terça-feira, 12, mais um curso. Desta vez, 20 alunos iniciaram as aulas do curso de manicure e pedicure, mais uma parceria entre a Fundat e o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac) com duração de 40 dias.


Vinte alunas se inscreveram para o curso ofertado pela Fundat (Foto: Marco Vieira/PMA)

Vinte alunas se inscreveram para o curso ofertado pela Fundat (Foto: Marco Vieira/PMA)


Com uma carga horária de 160 horas, o curso é dividido em três partes. A primeira delas é a teórica, onde fundamentos básicos do ofício são ministrados. A segunda, une a teoria e a prática. Já a terceira e última é uma espécie de teste para os alunos, momento em que eles poderão levar voluntários e, com eles, aplicar aquilo que foi absorvido durante o curso. 


A instrutora responsável pelos cursos de Estética e Beleza, Maria Helena, tem 26 anos de Senac  e também chegou a ministrar o curso de manicure e pedicure. Para ela, o curso abre muitas portas para o mercado de trabalho. “Esse curso vem com uma nova metodologia. São quarenta dias divididos por módulos. Além de aprenderem como atender os clientes, os alunos também vão ter noções de biossegurança, afinal, como eles lidarão com alicates, por exemplo, é importante que saibam como minimizar os riscos à saúde, tanto para o próprio profissional como também para quem ele vai atender. Essa área é de muitas possibilidades, basta que a pessoa tenha interesse e se dedique. Assim, ganhar clientes será fácil e ela vai levar para qualquer lugar que trabalhar”, disse a instrutora. 


Mônica Silva é a professora do curso e, antes de estar à frente das aulas, ela também foi aluna do Senac, uma das pupilas da, hoje, instrutora Maria Helena. Para ministrar as aulas, Mônica sai todos os dias de Estância, e para incentivar as alunas, ela usa uma dica conhecida. “Aprendi quando eu era aluna que se a gente recebe um limão, devemos fazer uma limonada e, a partir dela, uma torta de limão. Ninguém gosta muito de limão, mas, mas todo mundo se rende a uma boa torta. Quero que elas saiam do curso e se destaquem. Comecei como aluna e me destaquei nas aulas. Graças ao incentivo da Maria Helena, comecei a dar aulas e atualmente sou concursada pelo Senac”, relatou, enquanto chamava a atenção das alunas para a sua própria experiência. 


Um dos olhos atentos às palavras da professora era os da Ana Carolina, de 20 anos.  Após terminar o ensino médio, ela não deu prosseguimento à vida profissional e viu no curso uma maneira de se ocupar e também entrar no mercado de trabalho. “Hoje dia está difícil encontrar emprego e eu não me sentia bem por estar em casa sem fazer nada enquanto eu poderia fazer algo de útil. Eu já gostava de fazer a unha o cabelo de pessoas da minha família e quis aproveitar isso para me profissionalizar”, contou.


Com 17 anos, Luiza Dandara sempre quis fazer algum curso, mas, com o orçamento apertado, tinha dificuldade em encontrar algum que se encaixasse com o seu gosto. Através de uma postagem nas redes sociais da Fundat, a irmã de Luiza deu a dica e ela seguiu. “Eu soube que muita gente se inscreveu e achei até que não conseguiria, mas deu certo. Quis fazer o curso porque é uma área boa de atuação, a gente sempre tem o que fazer. Meu sonho é ser confeiteira e já sei que a Fundat também tem esse curso, espero que seja o próximo a fazer”, frisou. 


O coordenador da unidade Jardim Esperança, Felipe Lima, explicou que, a cada curso ofertado, a Fundat se preocupa em ter o feedback por parte dos alunos. “Nossa preocupação é em ofertar o melhor serviço, então, além de conversar com os alunos, ao final de cada curso pedimos para que eles nos respondam a uma avaliação, assim, temos uma noção daquilo em que podemos investir mais ou melhorar”, afirmou.


Antes de dar início, oficialmente, à aula, a instrutora Maria Helena não deixou de deixar uma frase de efeito. “Acredito que ser humano é ser inacabado. Por isso, é importante se aperfeiçoar sempre e nós esperamos oferecer o melhor que pudemos para que os alunos possam evoluir”, completou.

Matérias em destaque

Click Sergipe - O mundo num só Click

Fale Conosco